Heron Queiroz

Perdeu a live sobre o preencimento do formulário do projeto de pesquisa “Governança e Estrutura no Esporte Catarinense”? Assista aqui.

Fesporte e Inteligência Esportiva realizaram na tarde desta quinta-feira (30) uma capacitação on-line visando auxiliar gestores municipais de esporte quanto ao preenchimento do formulário sobre o projeto de pesquisa “Governança e Estrutura no Esporte Catarinense”.

Ministrado pela professora Sabrina Furtado, pesquisadora do Inteligência Esportiva, e mediado pela Gerente de Políticas Públicas e Projetos Esportivos da Fesporte, Aline Floss, a capacitação  levou aos gestores municipais de esporte conhecimentos sobre o projeto e, especialmente, para o preenchimento do formulário. Dirigentes e outros profissionais do esporte puderam tirar suas dúvidas durante a transmissão ao vivo.

O projeto, que já está sendo aplicado em outros estados brasileiros, tem por objetivo produzir, aglutinar, sistematizar e difundir informações sobre o esporte, além de analisar as políticas públicas para o setor.

Para o presidente da Fesporte, Rui Godinho, é fundamental participação de todos os municípios no projeto. “Só podemos ter um diagnóstico amplo e integral do esporte catarinense, de seu processo de desenvolvimento e de suas necessidades se tivermos uma participação maciça dos municípios de nosso estado”, disse ele.

Confira o vídeo

 

Além do vídeo, os gestores municipais de esporte também terão disponível no Sistema de Gestão Esportiva da Fesporte um tutorial sobre todo o preenchimento. A gerência de Políticas Públicas e Projetos Esportivos da Fesporte permanece à disposição pelo telefone 48 98802 6938 para mais informações.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

A Fesporte e o Instituto de Pesquisa Inteligência Esportiva, da Universidade Federal do Paraná, realizarão uma transmissão ao vivo (live), na próxima quinta-feira (30), a partir das 15 horas, para auxiliar gestores municipais de esporte de todo o estado quanto ao preenchimento do formulário no sistema do projeto de pesquisa “Estrutura e Governança do Esporte em Santa Catarina”.  

Participarão do encontro a gerente de Políticas Públicas e Projetos Esportivos, Aline Floss; e o gerente de Informática, Eduardo Cassettari , ambos da Fesporte; e a pesquisadora do Inteligência Esportiva,  Sabrina Furtado. A live permitirá a interação com os dirigentes visando sanar quaisquer dúvidas.

Acesse twitch.tv/vssr_ para assistir

O projeto tem como objetivo mapear informações a respeito da realidade esportiva nos municípios de Santa Catarina, a fim de que os dados coletados possam subsidiar a tomada de decisões mais precisas no que tange às políticas de esporte e lazer.

A pesquisa ocorrerá de forma totalmente on-line para a coleta de informações, dispensando possíveis custos de diárias, hospedagens, transporte e alimentação dos pesquisadores. Além do bate-papo ao vivo, cada gestor poderá baixar um tutorial que já se encontra no Sistema de Gestão Esportiva da Fesporte na aba “Pesquisa – Gestão do Esporte”.

As explicações proporcionadas pela live estarão voltadas principalmente ao preenchimento dos dados diretamente no banco de dados do site do Inteligência Esportiva.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

A partir desta quinta-feira (23), o projeto de pesquisa “Estrutura e Governança do Esporte em Santa Catarina” começa a ser desenvolvido no Estado. Visando levantar, catalogar e analisar os dados, apontando as principais carências e necessidades do segmento, o projeto chega a todos os municípios catarinenses por intermédio do Sistema de Gestão Esportiva da Fesporte, em que os dirigentes municipais de esporte terão acesso a um tutorial e serão redirecionados ao site da pesquisa (http://www.inteligenciaesportiva.ufpr.br/) .

 

O projeto chegou a Santa Catarina a partir de um termo de cooperação acadêmica e científica entre a Fesporte e o Instituto de Pesquisa Inteligência Esportiva da Universidade Federal do Paraná (UFPR), assinado no último dia 8 de abril. O acordo não implicou qualquer repasse de recursos por parte da Fesporte.

 

Segundo Aline Floss, gerente de Políticas Públicas e Projetos Esportivos da Fesporte, o objetivo é mapear informações a respeito da realidade esportiva nos municípios de Santa Catarina, a fim de que os dados coletados possam subsidiar a tomada de decisões mais precisas no que tange às políticas de esporte e lazer.

 

Como funcionará

 

- A pesquisa ocorrerá de forma totalmente on-line para a coleta de informações, dispensando possíveis custos de diárias, hospedagens, transporte e alimentação dos pesquisadores;

- Para acesso ao questionário da pesquisa, cada gestor deverá baixar um tutorial que já se encontra no Sistema de Gestão Esportiva da Fesporte na aba “Pesquisa – Gestão do Esporte”;

- Cada município só poderá responder uma única vez as informações;

- O preenchimento dos dados será realizado diretamente no banco de dados do site do Inteligência Esportiva, o qual disponibilizará em seu site um sistema em que estes dados serão catalogados e tratados, para posterior concessão à Fesporte e aos municípios catarinenses.

 

Live para orientar gestores

 

A Fesporte está organizando um bate-papo ao vivo (live) para a próxima quinta (30), às 15 horas, explicando o preenchimento do formulário no sistema, de forma a permitir a interação com os gestores esportivos dos municípios e sanar quaisquer dúvidas. 

 

 “O êxito nesta parceria depende da participação e colaboração de cada gestor, sobretudo quanto a preencher os dados referentes ao seu município na pesquisa proposta”, destacou o presidente Rui Godinho. 

 

O Instituto Inteligência Esportiva ainda prevê firmar convênios com outros Estados do país visando a um levantamento de informações de nível nacional.

 

O projeto conta também com a participação da Universidade Estadual de Santa Catarina (Udesc), por meio do Núcleo de Estudos em Gestão e Marketing do Esporte (NepEgem), na aplicação do conhecimento acadêmico para o estudo e apoio na coleta das informações. 

 

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

Rui Godinho retrata uma Fesporte mais efetiva e o uso do orçamento de forma mais assertiva depois da crise do coronavírus.

Em entrevista a Mário Cesar Tomasi, pela Rádio Chapecó, na sexta-feira (17), Rui Godinho reafirmou a realização dos dez grandes programas esportivos de seu calendário.

Ele destacou o prejuízo que acarretaria ao esporte catarinense, em especial a técnicos e atletas, muitos dos quais podem desistir da carreira em decorrência de uma parada muito longa, caso não houvesse o cumprimento do calendário 2020. “Vamos cumprir o calendário na sua íntegra, sem preterir nenhum dos dez grandes eventos”, enfatizou Godinho. “Se não fizéssemos esse calendário, o prejuízo seria muito grande a atletas, técnicos, e talvez, no ano que vem nós não tivéssemos ainda a bolsa-atleta e a bolsa-técnico, [...] estaríamos sepultando o esporte catarinense”, completou.

 

Confira aqui o áudio com a entrevista na íntegra

 

 

Para possibilitar o cumprimento do calendário, o presidente da Fesporte explicou que foram feitas adaptações de forma a reduzir a duração do evento. A fórmula consiste em diminuir o número de classificados para a etapa estadual e mudando o sistema de grupos para o de mata-mata. Assim, modalidades que aconteceriam em cinco ou seis dias, passam a se concluir em três.  “Tivemos de repensar a fórmula dos jogos e até mesmo quebrar as estruturas que já eram de anos. Para salvar o calendário sem nenhum prejuízo, nós o tornamos muito mais rápido”.

Os custos também serão bastante minimizados. “No ano passado, usamos 12 milhões de reais para realizar nossos eventos. Neste ano será abaixo de 6 milhões. Será uma redução de mais de 50%. E os municípios também poderão reduzir seus custos em torno de 30% a 50%”, explicou o gestor.

Outro fator observado por Godinho diz respeito a acabar com o uso de escolas como alojamento. Segundo ele, era uma mudança que ele já propunha e que, agora em função do coronavírus, deverá ser empregada. “Não serão mais utilizadas as escolas como alojamento. Não podemos permitir que o esporte conflite com a educação”, disse ele.

Essas alterações na formatação e estrutura dos eventos levaram à queda de todas as sedes definidas no calendário 2020, sobretudo levando em conta que as aulas também não poderão parar. O presidente da Fesporte explicou que, com a proposta de não usar escolas como alojamento, os municípios ficariam encarregados alojar as delegações. Por isso, foram encaminhados ofícios aos todos os municípios explicando a situação. “Agora precisamos nos adaptar. O que era mais importante, manter as sedes ou realizar os jogos, atendendo a comunidade esportiva? Tivemos que tomar a decisão”, concluiu o dirigente da Fesporte.

Segundo ele, o novo formato do esporte será apresentado para todo o estado mais detalhadamente. “É nos momentos de crise que saem grandes soluções e que a gente repensa nossos projetos. Quanto maior o desafio, mais apresentaremos soluções. Vamos trazer efetividade para a Fesporte e assertividade no uso do dinheiro público”, disse Godinho em tom bastante positivo.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

O presidente da Fesporte, Rui Godinho, projeta o início das competições do calendário 2020 da Fesporte para o mês de julho, e conclusão em dezembro, com adaptações na formatação. 

Durante um bate-papo com o presidente da Federação Catarinense de Judô, Moisés Penso, no início de noite desta quinta-feira, 16, o presidente da Fesporte, Rui Godinho, reiterou que serão realizados os 10 programas de competições esportivas previstos no calendário 2020, suspensos pelo Decreto 509/2020, em função do novo coronavírus (covid-19).

O encontro foi proposto por Penso para esclarecer a comunidade esportiva catarinense acerca do calendário e da formatação dos eventos. Godinho afirmou que é possível realizar todos os eventos previstos em pouco tempo e baixo custo. Ele destaca que desde que o Governador assinou o Decreto 509, em 18 de março, a Fesporte vem repensando estratégias para ter seu calendário integralmente concluído.

“Começamos nossa gestão, tínhamos a proposta de promover mudanças, mas entendi que era difícil fazer essas alterações, até porque as pessoas estavam acostumadas com esse modelo. Infelizmente teve de acontecer uma pandemia dessas pra fazer a gente repensar e buscar o novo”, explicou Godinho. 

Segundo ele, um modelo novo proposto evitará ter de paralisar aulas para que escolas sirvam de alojamento em eventos. Para ele, 75 dias seriam suficientes para a realização de todos os eventos da Fesporte, não fossem questões de disponibilidade de praças esportivas. Godinho ainda aponta para a possibilidade de iniciarem as competições no mês de julho, com as etapas microrregionais, e em agosto, as regionais, com mudanças bruscas na formatação. A estratégia seria a redução de classificados para a etapa seguinte. Por exemplo, modalidades de luta, como o judô, também reduziria, para 16 atletas. 

Nas coletivas, em vez de se classificarem 16 equipes para a etapa estadual, esse número seria reduzido para oito. E as competições seriam em forma de mata-mata, cada jogo uma decisão.  Isso não só resolveria questão de tempo, mas de alojamento também. Três dias podem ser suficientes para o fechamento de uma modalidade. 

Outra questão seria a possibilidade de redução de RH. Segundo Godinho, essa formatação teria uma economia de mais de 50%, e os custos com os eventos poderiam ser cobertos com recursos da loteria esportiva, que vem do Governo Federal, evitando, assim, ter de mexer nas fontes do Estado. Para ele, esse modelo emergencial pode ter um aproveitamento posterior, promovendo economia de forma a ter excedente suficiente para auxiliar federações esportivas e fomentar diversos projetos pelo estado, sobretudo em base e inclusão. “A Fesporte não é mais apenas uma realizadora de eventos, mas uma fomentadora do esporte”, ressaltou o presidente da Fesporte.

Rui Godinho destaca ainda que todo o calendário deverá estar concluído em  dezembro, mês que deverá acontecer a etapa estadual dos Jogos Abertos da Terceira Idade, que estava previsto para acontecer em abril. 

“Temos de cumprir o decreto, mas torcemos para que possamos voltar à normalidade o quanto antes. A Fesporte absorveu as funções da extinta SOL e passou a ter mais compromissos, mas não vamos abrir mão de cumprir nosso calendário enquanto houver essa possibilidade”, reforçou o gestor da Fesporte. “Reafirmo o compromisso de buscar meios e soluções para o esporte catarinense, sobretudo neste momento”, concluiu.

Moisés Penso destacou a coragem de Godinho ao promover mudanças num ano o ano atípico. “ Talvez essa mudança aconteça no memento difícil, mas força um novo olhar para os eventos da Fesporte”, completou Penso.

Bastante otimista e destacando a importância do esporte e dos profissionais da área para a sociedade, em especial para a saúde, Rui Godinho espera que logo a pandemia seja superada e todos voltem à normalidade.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

Rui Godinho e Moisés Penso promovem encontro para debater esporte catarinense em live, nesta quinta, às 18 horas. Debate será aberto à participação pública pelo Instagram.

Um bate-papo sobre os eventos da Fesporte acontece nesta quinta-feira, 16, às 18 horas. A conversa, que envolverá o Presidente da Fesporte, Rui Godinho, e o Presidente da Federação Catarinense de Judô, Moisés Gonzaga Penso, terá transmissão direta (live), pelo Instagram (ruigodinhodamota e fcjoficial), e terá espaço para interação com o público.

Em pauta, assuntos em torno do calendário esportivo da Fesporte e as expectativas em decorrência da pandemia pelo novo coronavírus (Covid-19), além de questões técnicas acerca dos eventos e modalidades esportivas e do funcionamento da Fesporte em regime de trabalho remoto (home office).

Godinho pretende realizar mais encontros com mais pessoas da comunidade esportiva catarinense. “É importante promover debates, sobretudo neste período de isolamento social e algumas incertezas. Saber o que gestores esportivos e o público em geral pensam é importante para alinharmos nossas ações”, explicou o presidente da Fesporte.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

Pagina 10 de 95