Segunda, 05 Novembro 2018 13:24

Júlia Mocelin dos Santos: começo de uma trajetória promissora Destaque

Escrito por 
Avalie este item
(2 votos)
Júlia aponta para a mãe na torcida ao fazer o primeiro gol Júlia aponta para a mãe na torcida ao fazer o primeiro gol Foto: Heron Queiroz

Ao completar 12 anos de idade, Júlia Mocelin dos Santos estreou este ano nos eventos da Fesporte e já é um dos destaques do futsal e do futebol da Escola Vidal Ramos Júnior, de Concórdia, conquistando o título do Moleque Bom de Bola feminino de 2018, no mesmo ano em que conquistou o futsal dos Jogos Escolares de Santa Catarina na faixa de 12 a 14 anos (Jesc 12-14), que garantiu a participação nos Jogos Escolares da Juventude (JEJ), em Natal/RN, neste mês de novembro. 

Júlia começou a jogar futebol aos seis anos, brincando com os meninos do bairro, já que não havia time feminino. Ela se inspira no primo, João Ricardo, hoje goleiro do América MG, mas diferente deste, a menina gosta de atacar e fazer gols, sacudindo ao vento seus cabelos cheios e encaracolados. Apesar de estar entre as mais jovens do time, Júlia tem muita personalidade, e sua determinação a levou a ser o principal nome na conquista do Moleque Bom de Bola, fazendo os gols da vitória por 2 a 0 sobre Escola Pe. Mathias Mª Stein, de Guaramirim.

Num dos primeiros ataques da equipe concordiense na partida, Maiara Niehues sofreu falta pela esquerda de ataque, quase na linha de fundo. Sob os olhos da mãe, Jociane Mocelin, e do padrasto Joenir Sordi, a camisa 11, chegou correndo desde a direita, mexendo a cabeleira. Chamou a responsabilidade e ajeitou a bola. “Bate direto, filha”, gritou a mãe. A bola fez uma curva e passou muito perto do ângulo direito da goleira, liberando o habitual “uuuuh” da torcida. A bola não entrou, mas Júlia mostrou às adversárias por que estava ali.

Cinco minutos depois, viria uma chance ainda melhor. Em mais um lance provocado pela amiga, e como ela mesma considera, uma irmã, Maiara sofreu pênalti. Júlia bateu com segurança, bola rasteira, no cantinho, deixando a goleira inerte e balançando a rede pela primeira vez no jogo. “Te amo, filha!”, gritou Jociane. Júlia, comemorando, virou para o alambrado e apontou para a mãe, como se dissesse: “Esse é pra ti, mãe!”.

Faltavam cinco minutos para o fim da partida, quando um lançamento deixou Júlia na cara do gol. Com a mesma calma e competência, a atacante não desperdiçou a chance e confirmou a vitória e o título de bicampeã para a Escola Vidal Ramos Júnior. E lá de longe, do outro lado do campo, mais uma vez, ela aponta para a mãe.

Segundo gol de Júlia consolida a vitória e a conquista do título (Foto: Heron Queiroz)

 

“Sempre incentivei, desde quando ela começou a jogar. O que importa é a felicidade dessas meninas e poder estar praticando esporte, sem deixar de conciliar com os estudos”, destacou Jociane. “Não sei se será a profissão dela, mas vou apoiar sempre”, completou ela, com sorriso transbordando orgulho e felicidade.

Júlia (azul) ao lado da amiga Maiara, com a mãe Jociane Mocelin e o padrasto Joenir Sordi (Foto: Heron Queiroz)

 

“Foi um ano muito bom pra mim. É minha primeira participação no Moleque Bom de Bola. Ganhei também os Jesc recentemente. Dedico essa conquista a todos, a Concórdia e, em especial, à minha mãe”, falou emocionada a atleta, que ainda recebeu o troféu de atleta destaque.

Júlia tem como sonho vestir a camisa verde-amarela. E, convenhamos, pela bola que está jogando e com passadas rápidas de atacante, a seleção fica logo ali, ao menos nas categorias de base, para começar. 

  

Texto: Heron Queiroz

 

Assessoria de Comunicação - Fesporte 

 

 

www.fesporte.sc.gov.br

https://www.facebook.com/fesporte

 

Lido 985 vezes Última modificação em Segunda, 05 Novembro 2018 17:50

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.