Heron Queiroz

O presidente Rui Godinho da Mota recebeu, na manhã desta terça-feira (2), na sede da Fesporte, o presidente da Federação Catarinense de Judô (FCJ), Moisés Penso. A visita teve como principal objetivo a proposta de realização de seletivas estaduais abertas da modalidade para a definição dos 16 atletas por categoria classificados para a etapa estadual de cada um dos eventos poliesportivos promovidos pelo Governo do Estado: Jogos Abertos, Joguinhos Abertos, Olimpíada Estudantil e Jogos Escolares de Santa Catarina.

Godinho já havia proposto essa fórmula de redução para 16 participantes por categoria ainda no mês de abril, devendo-se aplicar a praticamente todas as modalidades individuais. A questão maior envolve a forma de classificação, uma vez que as questões epidemiológicas deixam o quadro de distanciamento social ainda indefinido. Em vista disso, Penso propôs uma grande seletiva aberta, organizada pela FCJ em parceria com a Fesporte. A seletiva deverá contar com atletas dos grandes eventos. São 16 categorias nos Jesc (em cada uma das duas faixas etárias: 12 a 14 e 15 a 17 anos) e nos Joguinhos, 14 nos Jasc e 18 na Olesc.

“Essa é uma forma de contribuirmos com o esporte catarinense. Manter o calendário ativo é importante para a manutenção de bolsa-atleta e bolsa-técnico”, destacou Penso. Godinho observou que o esporte de Santa Catarina está na vanguarda. “Estamos tentando fazer com que o esporte volte o quanto antes, mas com toda a segurança necessária, preservando a saúde dos atletas, técnicos e demais envolvidos”, disse ele.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

 

A Fesporte e o Núcleo de Estudos em Gestão e Marketing Esportivo da Universidade do Estado de Santa Catarina (Nepegem/Udesc) assinaram na sexta-feira (22) um termo de cooperação acadêmica e científica visando ao fortalecimento das pesquisas sobre o esporte catarinense em desenvolvimento pela Fesporte e o Instituto de Pesquisa Inteligência Esportiva (Ipie). A publicação oficial do termo aconteceu na última quarta-feira (27).

Para Rui Godinho da Mota, presidente da Fesporte, o termo de cooperação com a Udesc é um ganho muito importante para as pesquisas. “É fundamental, para esse tipo de pesquisa, que possamos agregar valores. É um ganho muito grande não só para o nosso trabalho, mas para cada organização envolvida, para os profissionais e para os acadêmicos que serão parte significante nesse processo de construção e troca de conhecimento, sobretudo para a formação de cada um”, disse Godinho.

A tendência das pesquisas promovidas pelo Ipie é atingir todo o território nacional, e a parceria permitirá à Udesc ser um importante braço do Inteligência Esportiva em Santa Catarina, na capacidade de produzir, aglutinar, sistematizar, analisar e difundir informações sobre a gestão e as políticas para esporte no estado.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

A Fesporte mantém trabalhos de análise de viabilidades de retorno às atividades. Um ofício encaminhado às federações esportivas e uma reunião com o presidente da Afesc, Fred Leite, tratam de uma possibilidade de volta gradativa de modalidades que atendam ao disposto na Portaria SES 258/2020.

A convite do presidente Rui Godinho, o Presidente da Associação das Federações Esportivas de Santa Catarina (Afesc), Frederico Leite (o Fred) esteve na sede da Fesporte na tarde desta quarta-feira (27). O motivo principal foi o ofício encaminhado pela Fesporte às federações esportivas de Santa Catarina, solicitando indicação de modalidades com possibilidade de retorno em breve, dentro das medidas de precaução determinadas pelo Portaria SES 258/2020, de 21 de abril.

Godinho destacou que as propostas devem ter como parâmetro a Portaria SES 258, que dispõe sobre atividades esportivas em meio à pandemia e autoriza a realização de atividades dos estabelecimentos que oferecem serviços relacionados à prática regular de exercícios físicos, bem como academias de ginásticas e áreas afins. As propostas recebidas pela Fesporte serão encaminhadas ao governador Carlos Moisés, para análise

“A pandemia paralisou nossas competições, mas a Fesporte continua trabalhando administrativamente e analisando possibilidades de superar esse momento sem criar muitos prejuízos ao esporte. E aqui não falamos apenas em prejuízo financeiro, mas de projeto, sobretudo quando se trata do projeto de carreira de muitos de nossos atletas. Por isso é importante que as federações nos deem propostas técnicas de possibilidade de retorno com segurança. Não precisaríamos, portanto, esperar que todas as modalidades sejam liberadas, mas sim que houvesse uma liberação gradual, com segurança, sem público e com todas as condições sanitárias exigidas pelo decreto”, explicou Godinho.

Considerando que cada modalidade tem suas especificidades, Fred deverá intermediar essa consulta às federações esportivas e trazer propostas de cada uma delas num prazo de dez dias. “É importante para os atletas já poderem exercer suas atividades em modalidades que se enquadrem nas condições destacadas na Portaria SES 258”, observou Fred.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

A Fesporte participará do 5º Ciclo de Debates Inteligência Esportiva, que terá como tema a Gestão do Esporte nos Estados e Municípios Brasileiros. O presidente Rui Godinho e a gerente de Políticas Públicas e Projetos Esportivos, Aline Floss, são os convidados do Instituto de Pesquisa Inteligência Esportiva (Ipie).

O encontro acontece será transmitido por um canal do youtube (www.youtube.com/inteligenciaesportiva), na próxima quinta-feira (21), a partir das 19 horas. O debate será mediado pela professora Natasha Santos Lise, da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), e contará ainda com a presença de Emmanuel Alves Carneiro, do Instituto Federal do Ceará (IFCE), e Dilson Martins, do Instituto Paranaense de Ciência do Esporte (IPCE).

O Ipie atualmente está em processo de preenchimento com as cidades do estado do Paraná, e iniciando a pesquisa nos municípios do Ceará e de Santa Catarina. O debate focará um pouco mais a importância dessa ação, com relação ao Sistema Esportivo Brasileiro.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

Apesar da crise sanitária em decorrência do Covid-19, Fesporte quer cumprir com ações de políticas públicas previstas para este ano, como é o caso da aquisição de materiais esportivos a serem distribuídos a escolas públicas do estado para fomento de atividades esportivas na base estudantil.

A Fesporte concluiu o primeiro ano da gestão Rui Godinho fazendo uma análise das ações de políticas públicas que deveriam ser cumpridas pela instituição e observando as reais necessidades do esporte catarinense e sua relação com os órgãos municipais, federações, técnicos e atletas.

Segundo Godinho, essa análise baseada no trabalho e em toda a programação de 2019 levou a Fesporte a criar novas ações. “Temos de reinventar algumas coisas, mudar pensamentos, agregar valores e não apenas investir mais no esporte, mas, sobretudo, saber como e onde investir para obter melhor resultado para o esporte, seja na gestão do Estado, seja de cada Município”.

O planejamento da Fesporte acerca das ações para 2020 acabou impactado pela crise do coronavírus, e algumas das ações previstas tiveram de ser suspensas. Dentre as principais ações, consta a aquisição de materiais esportivos para distribuição a escolas da rede pública de todo o estado, com o objetivo de dar maior fomento à prática esportiva nas unidades de ensino.

O processo licitatório 1503/2019, montado ainda no ano anterior, estava em fase de apresentação de amostras; contudo, em decorrência do Decreto 506 (de 12 de março), do Governo do Estado, que dispõe sobre as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente do coronavírus, precisou ser suspenso, já que não havia, na ocasião como receber as amostras das empresas participantes.

Já no dia 20 de abril, em virtude da Resolução 11, do Grupo Gestor de Governo, o processo licitatório 1509/2019 foi indeferido, considerando que os custos do Estado deveriam estar, em sua maioria, voltados ao combate ao coronavírus. O processo pode ainda ser reapresentado ou cancelado, conforme se apresente a realidade da pandemia de Covid-19, mas Godinho quer concluir o processo ainda este ano.

"Estamos com tudo pronto e aguardando passar essa situação da pandemia e melhorar a arrecadação para que possamos adquirir o material e distribuir para as escolas da rede publica estadual, se possível, ainda este ano, até porque temos para o começo próximo ano temos planejado a distribuição do material, seguindo os critérios definidos. Isso tudo é uma forma de fomento em que a gente está trabalhando, porque acreditamos que o esporte tem tudo a ver com a escola, que é onde começam a se formar os grandes talentos", concluiu Godinho.

“A distribuição dos materiais esportivos visa à democratização do acesso ao esporte e o desenvolvimento e difusão de valores olímpicos e paralímpicos entre estudantes da rede pública de ensino, e, ocorrerá de acordo com as instruções e critérios para destinação previstas em Edital específico que será publicado no site da Fesporte em momento oportuno”, destacou a gerente de Políticas Públicas e Projetos Esportivos, Aline Floss. Segundo ela, dentre os critérios que nortearão o processo inicial da distribuição, estão o respeito ao princípio da descentralização, considerando o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHm) do município; média da taxa de abandono escolar e realização de eventos do calendário esportivo estadual vinculado à Fesporte nos últimos dois anos.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

Em menos de uma semana depois de as portas da Fesporte se reabrirem para o trabalho presencial, diretoria e gerências promovem videoconferências com dirigentes municipais e comunidade esportiva para explicar propostas de calendário e formatação de disputas.

A quarta-feira (13) marcou o retorno dos servidores da Fesporte ao trabalho presencial na sede da instituição, exceto aqueles considerados de grupo de risco. Foram quase dois meses em sistema de teletrabalho (home office), que manteve toda a equipe da Fesporte atuante, buscando opções e discutindo propostas para que 2020 não seja um ano perdido para o esporte e não traga tantos prejuízos à comunidade esportiva.

“Mesmo cumprindo as determinações de distanciamento social, conseguimos uma unidade de trabalho. A equipe Fesporte esteve comprometida em estudar formatos para a conclusão de nosso calendário. É um momento difícil, mas que tem nos trazido bastante fortalecimento e resiliência”, destacou o presidente Rui Godinho.

O próprio Godinho e gerentes dos setores técnicos (rendimento, escolar e de participação) têm realizado uma série de vídeoconferências envolvendo dirigentes municipais de esporte e coordenadores esportivos para explicar as propostas da Fesporte quanto ao calendário e as definições de formatação das competições adaptada à atual realidade. 

As transmissões estão sendo feitas desde a última terça-feira (12) pela plataforma Zoom. Já foram realizadas oito conferências das dez programadas, para atingir as quatro regiões de gestão esportiva do estado: Sul, Leste-Norte, Centro-Oeste e Oeste. Na terça-feira (19), acontecem as duas últimas: uma, às 14 horas envolvendo os municípios de Ibirama, Rio do Sul, Taió e Ituporanga, e outra, às 16 horas, com os municípios de São Joaquim, Araranguá, Florianópolis e Campos novos.

Segundo o gerente de Esporte de Rendimento, Luciano Heck, as videoconferências têm tido bastante aceitação e um bom índice de participação, chegando a quase uma centena de participantes em cada transmissão. “Essa ferramenta tem sido fundamental para que, mesmo em tempo de distanciamento social, pudéssemos criar uma aproximação maior com os municípios e a comunidade esportiva, podendo ouvir a todos e tirando quaisquer dúvidas”, explicou Heck.

“Nós da Fesporte muitas vezes abdicamos da convivência com a nossa família para promover o esporte nos quatro cantos de Santa Catarina”, disse Godinho num vídeo institucional que retrata o trabalho da Fesporte no período de distanciamento social.

Assista ao vídeo 

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

Pagina 3 de 90