Domingo, 20 Novembro 2022 12:34

20 de Novembro é o Dia da Consciência Negra Destaque

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)
20 de Novembro é o Dia da Consciência Negra Foto: Antonio Prado/Fesporte

Hoje, 20 de Novembro, é o Dia da Consciência Negra. A data foi criada em homenagem ao Zumbi dos Palmares e nos lembra sobre a importância da luta contra o racismo e a valorização da raça negra. Novembro também é o mês da consciência negra. A Fesporteentende que o esporte é uma ferramenta importante nessa luta contra a discriminação racial. Foi também, por meio do esporte, que muitos negros tiveram a oportunidade de mostrar o seu valor, muitas vezes negada pela sociedade, ao longo dos tempos. Abaixo, registramos alguns personagens importantes do esporte catarinense que representam a consciência negra e a luta por um mundo melhor.

 

ENALDO BATISTA, ÁRBITRO DE BASQUETE

Enaldo Batista de Souza representa o Basquete e a nossa arbitragem. Um vencedor dentro e fora das quadras. Referência nacional em arbitragem, além de ser atleta, técnico e dirigente esportivo. Ele destaca a luta dos negros para alcançar postos de destaque na vida, diz que já viu muitas injustiças ao longo dos 46 anos de carreira, mas prefere guardar no coração as boas lembranças. “Temos todas as qualidades para vencer na vida em pé de igualdade, mesmo sabendo que não é fácil”, destaca Enaldo.

 Enaldo Batista, árbitro de basquete

 

JOSÉ ACÁCIO PEPE, EX-ÁRBITRO DE FUTSAL

José Acácio dos Santos, o Pepe, é uma lenda do esporte. Comendador do esporte catarinense, árbitro de futsal e representante do quadro de servidores públicos da Fesporte. Pepe, criado no Morro do Mocotó, em Florianópolis, por duas mães adotivas, venceu as barreiras de tempos em que havia muita tolerância ao racismo e quando certas atitudes nem eram consideradas racistas. Tempos em que algumas pessoas se divertiam com frases racistas proferidas a um árbitro negro, em tom de “brincadeira”, por exemplo.Vida de luta e dedicação ao esporte. Venceu, sendo reconhecido como um dos melhores árbitros de Futsal do Brasil e servidor público respeitado. Está trabalhando nos Jasc de Rio do Sul, aos 72 anos de idade.

José Acácio, Pepe, ex-árbitro de futsal

 

ALTAIR VERAS, TREINADOR E EX-ATLETA DE FUTSAL

Altair Veras é técnico de Futsal, representa os nossos treinadores. Craque de Futsal com currículo internacional. Jogou na Espanha e na Itália, tendo a oportunidade de morar nos dois países, graças ao esporte. Uma bagagem cultural que levou para vida.

Altair Veras

 

MARIANA OLIVEIRA, ATLETA DO ATLETISMO

Mariana de Oliveira Muller é atleta, na modalidade onde os maiores ícones mundiais são negros, o atletismo. Quem não se lembra das 4 medalhas do americano Jesse Owens, na então nazista Berlim, no nem tão distante ano de 1936... Conquistas que inspiraram muitos brasileiros e ajudaram a forjar uma geração de medalhistas olímpicos como João do Pulo, Joaquim Cruz, Ademar Ferreira da Silva, entre outros. Marianaé reconhecida nacionalmente no atletismo, além deser medalhista dos JASC no salto triplo. 

Percorreu todo o caminho da base no esporte catarinense, tendo disputado Olimpíadas Estudantis e Joguinhos Abertos. Filha da atleta e treinadora do paradesporto Cristiane Müller, possui vários tios e primos atletas. “O atletismo é um pilar muito importante em nossa família nos ensinou a ter persistência, determinação, disciplina, garra e coragem para superar os obstáculos que a vida nos impõe”, destacou Mariana.

Ainda no atletismo, uma atleta referência: Magnólia Correia, com 39 medalhas dos JASC nos arremessos de peso, disco e dardo. Recordista dos jogos abertos, no arremesso de disco, por 30 anos. Também é treinadora e formadora de atletas, muitos deles negros como ela.

Mariana de Oliveira, atletismo

 

KELVIN SOARES, PRESIDENTE DA FESPORTE

Para fechar, não podemos deixar de falar que a Fesporte é comandada por um negro, o único do atual colegiado estadual. No basquete jogava fácil, no atletismo era rápido. Bi campeão brasileiro juvenil nas duas modalidades. Fora das quadras, teve que trabalhar, estudar e correr dobrado para conquistar o respeito e reconhecimento das pessoas.

”Nos olham diferente num primeiro momento. A barreira muitas vezes só é quebrada depois de muita conversa e pertinência nos assuntos. O sucesso de um negro em cargos de comando também incomoda algumas pessoas e nos isola em certos momentos”, desabafou Kelvin. Tudo isso no Esporte, onde a presença de negros é comum. Imaginem em outras áreas? No caso de Kelvin Soares, o reconhecimento veio através do esporte.

Foi dirigente esportivo em Joinville, maior cidade de SC, e hoje comanda as políticas públicas do esporte catarinense. Criou programas como o Bolsa Atleta, o PIDE(iniciação esportiva escolar), além da busca incansável por mais recursos e leis de fomento para o esporte. Ele entende que as lições do esporte são importantes para o debate da consciência negra. “No esporte todos são iguais e precisam respeitar as mesmas regras. Mas sabemos que na vida nem sempre é assim. Precisamos ter essa consciência e lutar contra qualquer tipo de preconceito, especialmente o racial que talvez seja o mais cruel de todos”, destacou Kelvin.

 Kelvin Soares, presidente da Fesporte

 

Lido 319 vezes Última modificação em Domingo, 20 Novembro 2022 13:05