Publicado em Geral
Escrito por

Fesporte revitaliza muro com obras de Rodrigo Rizo

Quem passa diariamente pela Rua Santos Saraiva, no Bairro Capoeiras, em Florianópolis, observa, nos últimos 15 dias, um visual mais alegre e artístico que vai se formando no grande paredão que constitui o muro da Fesporte. Uma área de aproximadamente 100m² do muro está sendo coberta por imagens grafitadas que representam diversas modalidades como basquete, futsal, atletismo e remo, abrangendo tanto o esporte convencional quanto o paradesporto.

A obra, que teve início na segunda quinzena de julho, deve contar com pelo menos um total de 30 dias de trabalho, com turno de oito horas diárias. Apesar de estar ainda em andamento, já desperta a atenção dos curiosos, muitos dos quais se demoram um pouco mais para apreciar a técnica do artista e a obra, estampada em cores predominantemente vermelha, verde e branca, que se remetem à bandeira do Estado e à marca da Fesporte.

“O trabalho não somente embeleza a cidade e dá mais vida à Fundação e permite aos que por ali passam identificar a instituição prontamente, como também difunde a prática esportiva por intermédio de uma linguagem própria da atualidade, aproximando-se dos jovens, sobretudo por seu valor artístico-cultural”, destacou o presidente Erivaldo Caetano, o Vadinho.

Artista plástico Rodrigo Rizo traz a experiência adquirida com trabalhos realizados em várias cidades do Brasil e exterior (Foto: Heron Queiroz/Fesporte)

A grafitagem tem a assinatura do artista plástico Rodrigo Rizo, reconhecido na capital catarinense por suas ilustrações deixadas nas paredes da cidade, sobretudo por sua principal marca: o camaleão. 

Rizo tem origem paulistana, mas veio para Florianópolis há 20 anos. Aqui desenvolveu o gosto por grafites, mas apurou suas técnicas com experiência em vários países por que passou como Dinamarca, Suécia, Itália, Peru, Chile e Estados Unidos. Em todos pôde deixar a mesma marca que ilustra também vários cantos da capital catarinense: o camaleão, que reflete a capacidade de adaptação aos ambientes, a interação com o meio para estabelecer o uso das cores e a mistura de técnicas que desenvolveu nos mais de 15 anos de profissão.

O grafiteiro destaca que, apesar da experiência e de já haver pintado ilustrações esportivas, o muro da Fesporte apresenta alguns desafios, que vão desde a altura em que tem de trabalhar ao alto nível de detalhamento das imagens.

Calcula-se ainda mais uma semana e meia de trabalho, se não houver mau tempo. Para finalizar, ainda está prevista a aplicação de um verniz para proteger a pintura e impermeabilizar a parede.

 

Texto: Heron Queiroz

(48) 99635-9617 - 3665-6126

 

Assessoria de Comunicação - Fesporte 

Renan Koerich

Antonio Prado

Heron Queiroz

Zenilda Stein

Tels: (48) 36656126, 36656127, 36656128

Cel: (48) 988027742

 

www.fesporte.sc.gov.br

https://www.facebook.com/fesporte

Publicado em Geral
Escrito por

I Seminário de Gestão de Sustentabilidade do Esporte

Será realizado em Rio do Sul, no dia 23 de agosto, o I Seminário de Gestão e Sustentabilidade do Esporte e do Lazer Catarinense para discutir sobre as potencialidades e desafios da área, estabelecendo o diálogo com representantes governamentais e a sociedade. O evento será no Parque Universitário Norberto Fran (Unidavi), com início às 8h30.

Interessados em participar devem efetuar a inscrição neste link.

O seminário está sendo promovido pela Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte (SOL), em parceria com a Fundação Catarinense de Esporte (FESPORTE), Conselho Estadual de Esporte (CED) e Tribunal de Justiça Esportiva (TJD/SC), além disso conta com o apoio da Prefeitura de Rio do Sul, por meio de sua Fundação de Esportes, Universidade do Alto Vale do Itajaí (UNIDAVI) e Federação Catarinense de Municípios (Fecam).

O secretário de Estado de Turismo, Cultura e Esporte, Leonel Pavan, reforça que o convite se estende a prefeitos, dirigentes municipais, técnicos da área esportiva e acadêmicos. “Quanto maior a participação, mais amplos serão os debates. Será um evento muito importante para a SOL, que poderá conhecer as necessidades dessa área nas diferentes regiões”, destaca.

Confira a programação:

8h30 - Credenciamento

9h - Abertura da solenidade

10h - Apresentação Plano Estadual de Esporte e Lazer (PEEL) – Aline Maria Floss – Gerente de Políticas de Esporte da SOL

10h30 - Mesa Redonda

           - Importância dos Conselhos de Esporte – Alexandre Beck Monguilhott – Presidente do Conselho Estadual de Esporte;

           - Funcionamento dos Tribunais de Justiça Desportiva – Dr. Mário César Bertoncini – Procurador Geral do Tribunal de Justiça Desportiva de Santa Catarina;

           - Relevância da Implementação dos Sistemas Municipais de Esporte e Lazer – Carla Rosana Krug - Gerente de Projetos Esportivos/SOL;

11h45 - Espaço para Questionamentos

12h - Intervalo para Almoço

14h - Apresentação dos resultados obtidos na pesquisa Suplemento de Esporte - ESTADIC/MUNIC - 2016 - IBGE - César Maior

14h30 - Estratégias da FESPORTE para o segmento esportivo – Mediador: Erivaldo Caetano Nunes Júnior – Presidente da FESPORTE

            - A experiência de parcerias privadas na esfera pública no segmento esportivo – Marcelo Greuel – Diretor Administrativo e Financeiro da FESPORTE

            - FESPORTE em números: Estratégias para a organização de eventos esportivos – Darcio de Saules – Diretor de Esportes da FESPORTE

15h20 - Ações Estratégicas da SOL para o fomento do setor esportivo – Leonel Pavan - Secretário de Estado de Turismo, Cultura e Esporte

16h10 - Apresentação de Cases – Eventos da FESPORTE (JASC/ JASTI/ OLESC/ PARAJASC) – Dirigentes Esportivos Municipais

17h30 - Encerramento

Publicado em Geral
Escrito por

Fesporte apresenta galeria de ex-presidentes

A Fundação Catarinense de Esporte (Fesporte), apresentou, nesta terça-feira (1) a sua galeria de ex-presidentes. Na sede, em Florianópolis, os funcionários aplaudiram e reverenciaram os nomes dos mandatários que ajudaram a construir a história da entidade que promove o esporte em Santa Catarina há mais de duas décadas.

Com a presença do presidente atual da Fesporte, Erivaldo Nunes Caetano Júnior, a galeria foi apresentada para os funcionários e servidores. 

A Fesporte, ao longo de sua história, detém 15 ex-presidentes, sendo que Vadinho, ocupa pela segunda vez o cargo. Além dele, Adalir Pecos Borsatti, também comandou a entidade em dois momentos em sua história. 

Os 15 ex-presidentes da Fesporte

- Adalir Pecos Borsatti  - Julho a setembro de 1993

- João Kiyoshi Otuki - 1993 a 1994

- José Eduardo Nunes de Souza - 1995 a 1998

- Erasmo Marcelo Damiani - Outubro a dezembro 1998

- Pedro Henrique Dücker Bastos - 1999 a 2002

- João Ghizoni - 2003 a 2006

- Marcelo José de Melo - Maio a agosto de 2006

- Edimar de Oliveira Pinto - Agosto a dezembro de 2006

- Carioni Mess Pavanello - 2007 a 2010

- Pedro José de Oliveira Lopes - Abril a dezembro de 2010

- Adalir Pecos Borsatti - 2011 a 2013

- Erivaldo Nunes Caetano Júnior (Vadinho) - 2013 a 2014

- Marcelo Kowalski

- Osvaldo Juncklaus  8 de setembro de 2015 a 20 de abril de 2016 

- Milton José da Cunha Júnior 20 de abril de 2016 a 10 de janeiro de 2017

 

Publicado em Geral
Escrito por

Freestyle Show empolga 3 mil pessoas em Blumenau

Saltos acrobáticos, shows, piruetas de até 360 graus no ar proporcionadas por sete experientes motociclistas empolgaram o público de cerca de 3 mil pessoas que foi à Arena Freestyle Show, montada no estacionamento do Norte Shopping, na noite deste sábado, 15, em Blumenau. O evento teve apoio do Governo de Santa Catarina, por meio da Secretaria de Turismo, Cultura e Esporte (Sol) e também da Fesporte.

O secretário da Sol, Leonel Pavan, que esteve presente, disse que Arena Freestyle é um evento esportivo importante, pois congrega a família. “O esporte faz parte da cultura e do turismo do Estado e isto aqui, além de ser uma ação esportiva, tem um caráter familiar, pois congrega pais, jovens e crianças em um momento sadio”.

Autoridades presentes ao evento (Foto: Antonio Prado/Fesporte)

Erivaldo Caetano Júnior, o Vadinho, destacou que Santa Catarina merece evento de qualidade como a Arena. “Aqui vieram famílias para se divertirem e quando se trata de esporte isso é relevante, pois o esporte só traz benefícios”. Assistindo as apresentações o Coronel Carlos Bueno, comandante da 7ª Região da Polícia Militar, de Blumenau, destacou que a competição possibilita até a diminuição da violência a partir do momento em que diminui o stress das pessoas e promove confraternização familiar.

Texto: Antonio Prado

(48) 9 9696-3045

 

Publicado em Geral
Escrito por

Galdino: o servente de pedreiro que virou atleta olímpico

PERSONAGEM DO ESPORTE

Confira a história do marchador Sérgio Galdino na série "Personagem do Esporte"

Aos quatro anos de idade, o franzino Sérgio Galdino saiu do pequeno município de Armazém com a família rumo a Blumenau. O percurso dos cerca de 270 quilômetros foi mais que suficiente para pensar em dias melhores. Trabalhar na lavoura já não dava mais. Era preciso um novo centro para viver. Novas oportunidades. Mas, os primeiros passos na terra da Oktoberfest não foram fáceis. Aos 13 anos, o menino Galdino tinha que conciliar os estudos na Escola Estadual Hercílio Deeke com a função de auxiliar de pedreiro. Ajudava o pai a aumentar a renda familiar.Clique aqui e veja a entrevista em vídeo

Mas, quis o destino que o esporte mudasse a realidade do garoto. Aos 15 anos, seu professor de educação física o encaminhou para a Fundação Municipal de Esporte de Blumenau para a prática esportiva. Lá foi apresentado ao atletismo, e, de primeira, não gostou do que viu. Mostraram-lhe a marcha atlética. “Quando vi que tinha que andar ou correr rebolando daquele jeito disse a mim mesmo que aquilo não era coisa de homem e que não faria jamais”.

Passados 10 anos deste pensamento, o mesmo Galdino, aos 23 anos, cruzava a linha de chegada Estádio Olímpico Luís Companys, na olimpíada de Barcelona em 1992, como o 25º melhor marchador do mundo. Era aplaudido pela torcida, que reconhecera o esforço do catarinense para transpor os 20 quilômetros de prova. “Passou um filme na minha cabeça. Lembrei da minha família, dos meus colegas de colégio. Pensei na zoação dos que diziam rindo em tom de chacota: Tá treinando para olimpíada?, por pensar que a competição era algo inatingível”.

Entre os grandes do esporte

Agora, 10 anos após deixar as pistas, Sérgio Galdino figura entre os grandes atletas catarinenses. No currículo são três olimpíadas; além de Barcelona (25º lugar nos 20km), Atlanta (1996, 26º lugar nos 20km) e Atenas (2004, 26º na prova dos 50km); e 16 títulos de campeão brasileiro.

Somam-se ainda cinco títulos sul-americanos e 16 medalhas de ouro dos Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc). Sua primeira participação dos Jasc foi em 1985, em Brusque, ficando em segundo lugar. No ano seguinte, em Joinville, conquistou a primeira medalha de ouro. A última medalha de ouro nos Jasc foi em 2005 em Joaçaba.

Em âmbito internacional, um dos pontos alto da carreira foi quando bateu o recorde brasileiro e sul-americano em 1995 na cidade de Heisenhuttenstadt, nos 20km na Alemanha, com a marca de 1h19min, só batida em 2016. Antes, porém, no mesmo solo alemão, em 1993, Galdino já havia se consagrado como o sexto melhor atleta do planeta, em prova disputada em Stuttgart.

Em 1995 Galdino bateu o recorde brasileiro e sul-americano que perdurou por 21 anos para ser superado (Foto: Antonio Prado/Fesporte)

O início 

Como se sabe, toda história de sucesso tem um início, e a de Galdino começou como a primeira medalha de ouro na carreira, em 1985, conquistada nos cinco quilômetros nos Jogos Estudantis da Primavera, de Blumenau.  Posteriormente, ainda no mesmo ano, sentiu mais outro gostinho do pódio. Desta vez, na etapa estadual dos Jogos Escolares de Santa Catarina (Jesc), em Concórdia. Participou dos mil metros da marcha atlética e fechou a prova em 2º lugar.

Até 2007, quando parou, o esporte lhe proporcionou conhecer mais de 30 países representando o Brasil. Nesse período, viveu momentos marcantes. Ora por vitórias, ora por frustrações. Entre os fatos que guarda com carinho especial na lembrança, Galdino enumera: “Ganhar meu primeiro troféu Brasil em São Paulo (1988), meu primeiro sul-americano, em Medelin (1989), Colômbia, vencendo os colombianos Hector Moreno, o Querubim Boeno, na casa deles, sendo eles referências na América do Sul”.

Outro momento marcante do catarinense ocorreu em 1999: “Venci  o sul-americano em Cocha Bamba, na Bolívia, nos segundos finais, já quase desmaiando devido ao efeito da altitude”.

Uma trombose: o maior drama

Já entre os momentos de que não gosta de lembrar, está o de uma quase morte durante uma viagem. “Vinha do mundial de Helsinque, na Finlândia, em 2005 (15º lugar), e no voo longo entre Frankfurt São Paulo, senti um desconforto na panturrilha direita. No dia seguinte, mal colocava o pé no chão de tanta dor. Por conhecer um pouco de fisiologia, procurei um médico. No ultrassom, constatou-se uma trombose profunda na veia poplítea na parte posterior do joelho. Resultado: fiquei internado por cinco dias para tratar da trombose, e meu médico disse que eu poderia ter sofrido uma morte súbita”.

Conta ainda do dia em que chorou no avião pela frustração de realizar uma prova ruim. “Foi nos Jogos Pan-Americanos de Santo Domingo, na República Dominicana, em 2003. Até os 30 quilômetros, eu estava me sentindo muito bem. Fui preparado para ganhar a prova e, faltando cerca de 15 quilômetros para o final, passei a sentir cãimbras nas pernas. Me deu uma pane física, e acabei em quarto lugar. Chorei feito criança”, lembra.

Mas, entre altos e baixos, Galdino diz convicto que as realizações positivas foram superiores. E, segundo ele, sua participação em três olimpíadas corroboram para essa maneira de pensar. E como não poderia deixar de ser ele elege as três como o ponto mais alto da carreira. “São milhões de atletas talentosos que tentam e não conseguem. Eu consegui. Com muito esforço e treinamentos exaustivos, consegui aproveitar o talento que Deus me deu”.

Texto: Antonio Prado

(48) 9 9696-3044

 

Publicado em Geral
Escrito por

Comunicado oficial - Seletivas dos Jesc estão suspensas

 

A Fundação Catarinense de Esporte comunica que todas as seletivas para os Jogos Escolares de Santa Catarina, que estavam previstas, estão temporariamente suspensas. A medida foi imposta após a impugnação da licitação de transportes.


Desta forma, a Fesporte também informa que a etapa estadual dos JESC, antes prevista para São Bento do Sul, no início de agosto, também está suspensa.


Em relação às novas datas das Seletivas para o JESC, assim que forem definidas, serão comunicadas.

Publicado em Geral
Escrito por

Alva Pessi: protagonista da essência dos Jasc

PERSONAGEM DO ESPORTE

Às sextas, a Fesporte apresenta a série "Personagem do esporte", que visa resgatar os principais protagonistas do esporte catarinense.

Quando se trata em contar a história dos Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc), que teve a sua primeira edição em 1960, em Brusque, nomes como Arthur Schlösser, Rubens Fachinni e Rudi Nodari são as referências. Nem todos sabem, no entanto, que Alva Neves Pessi, nascida em 2 de março de 1939, em Brusque, foi uma das protagonistas da criação do maior evento esportivo de Santa Catarina três anos antes dele nascer. A partir daí, Alva se tornou uma das maiores lendas do esporte catarinense em diversas modalidades e áreas. Uma atleta polivalente e multicampeã.

Se por um lado Schlösser, Nodari e Odir Varela viajaram como dirigentes para municípios paulistas como Sorocaba, Piracicaba e Bauru para vivenciar como São Paulo organizava seus Jogos Abertos e implantar o modelo em Santa Catarina, coube a Alva Pessi participar como atleta do vôlei e do atletismo desse processo. E foi nesta condição que esteve nos “Jasc paulistas” em São Carlos (1957), Piracicaba (1958) e Santo André (1959).

 

Alva participa dos Jasc de 1965 (Foto: arquivo pessoal)

Em São Carlos a vivência foi com uma equipe de vôlei do clube Bandeirante, de Brusque. Como ponteira, Alva ajudou na campanha de quatro vitórias e apenas uma derrota, com o terceiro lugar do torneio – motivo de grande festa na comunidade brusquense à época.  

 

Mas, em sua vida esportiva, Alva se destacou em outras modalidades. No ano de 1956, competiu por Blumenau no atletismo. De lá, trouxe consigo a medalha de ouro no salto em distância e duas pratas, no disco e na prova de 80m com barreira. Residindo em Florianópolis, a partir de 1959, foi campeã dos Jogos Universitários Catarinenses, nas provas de dardo, disco, peso, 100m e 4x100m. Além disso, também foi campeã de voleibol. Em 1959, novamente no JUCS, foi considerada a melhor atleta da competição.

 

Competindo por Florianópolis, Alva trouxe inúmeros títulos, pois participava com êxito de várias competições, inclusive o campeonato de Veteranos em 1994, competição pela qual foi campeã do disco, dardo e peso. No atletismo ela competia no heptatlo: 100, 200, 4x100m, distância, peso, disco e dardo. Era o que poderíamos chamar, hoje, de atleta polivalente.

 

 

Em 1957 Alva com os time de vôlei e atletismo de Brusque participaram dos Jogos Abertos do Interior de São Paulo com objetivo de buscar experiência para a implantação dos Jasc em 1960. Na foto as equipes antes do embarque para São Carlos (SP). Foto: Acervo pessoal.


Em 1960, na primeira edição dos Jasc, Alva Pessi, aproveitando que o regulamento permitia, disputou a competição por dois municípios: Florianópolis (cidade em que residia há pouco mais de um ano), no vôlei, e Brusque, no atletismo. Quando estava em quadra pelo time da Capital, os brusquenses não perdoavam e a chamavam de “vendida”. Alva é o primeiro caso de importação de atleta dos Jogos Abertos de Santa Catarina. No atletismo também ganhou medalhas, mas que a memória já não ajuda a lembrar quais foram. No, vôlei, porém, foi campeã. A partir do inicio dos anos 70 Alva Pessi passou a dividir as funções de atleta e dirigente no vôlei e no atletismo de Florianópolis. 


A memória até falha, mas as inúmeras medalhas comprovam


Atualmente, em sua casa, em Florianópolis, são cerca de 300 medalhas de todos os quilates: ouro, prata e bronze, que ela já não se lembra do período ou competição em foram conquistadas. Além de vôlei e atletismo ela conquistou medalhas no basquete e handebol. Se a memória não auxilia, as medalhas estão expostas e são uma prova da história alcançada por Alva.  

 

“Só sei que todas, para mim, são importantes”, diz, para logo em seguida deixar-se trair pelas palavras: “Essa aqui (mostrando a medalha) é a mais significativa, pois foi a primeira da carreira. “Conquistei no atletismo na inauguração do Estádio Olímpico do Grêmio Esportivo Olímpico de Blumenau, nos jogos das equipes do Sesi em 1955. Fui medalha de ouro”, lembra.


Entre as inúmeras recordações de sua vasta carreira de conquistas, Alva tem carinho especial com o ano de 1996, quando recebeu, do Conselho Estadual de Esporte, a Comenda do Mérito Esportivo e, consequentemente, o título de comendadora do esporte catarinense -  a maior honraria concedida a uma pessoa no setor esportivo. A comenda é outorgada à pessoas com relevantes serviços prestados ao esporte.

 

 

Alva (bloqueando) participa da 3ª edição dos Jasc em Blumenau em 1962 no jogo Brusque x Florianópolis (Foto: arquivo pessoal)

  

Alva foi casada com Orlando Pessi, conhecido como “Torrado”, considerado um dos maiores atletas de Santa Catarina. Torrado competiu em vários esportes - basquete, vôlei, natação e atletismo. Os dois se conheceram em 1958 quando disputavam o Campeonato Catarinense de basquete e de vôlei, realizados em Joaçaba. Ao assistir ao confronto entre Brusque e Florianópolis na modalidade de basquete, ela viu, em meio da torcida brusquense, Torrado “destruir” com a partida pela Capital. Dali em diante, o namoro começou e a união só se desfez com o falecimento de Torrado em 2013.

 

Formada no Curso de Educação Física pela Escola Superior de Educação Física da Universidade para o Desenvolvimento do Estado de Santa Catarina - UDESC, em 1975, Alva especializou-se em Educação Física, na Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, em 1978.

 

Sua carreira na educação começou em 1959 como professora de letras para turmas de 1ª a 4ª séries. Em 1966, ministrava aulas para o Curso de Especialização em Educação Física da UDESC no antigo 2º grau nas disciplinas de voleibol, atletismo, ginástica, recreação, basquetebol e prática de ensino. Ela também foi membro da Banca Examinadora.

 Exercendo funções no magistério estadual durante 25 anos, 11 meses e 08 dias, Alva teve sua aposentadoria em 18 de março de 1985, permanecendo no magistério federal até 1º de março de 1991.

 

O amor por Torrado, o “maior atleta de Santa Catarina”

 

Não somente o amor, mas também aquilo que Torrado fazia pelo esporte avalizam a afirmação. Para Alva, o melhor atleta de toda a história de Santa Catarina foi o seu marido Orlando Pessi, o Torrado: “Ele era craque no basquete e voleibol, mas praticou natação, futebol e atletismo. Um fora de série. Jogava por amor à camisa e dava o sangue pelas equipes de Florianópolis. A melhor imagem que guardo dele foi numa decisão do voleibol dos Jasc de 1963 entre Joinville e Florianópolis. Joinville vencia a “negra” por 14 a 1 e sua torcida fazia a maior algazarra, comemorando o título. Meu marido “virou o jogo” para 16-14. Ele tinha acabado de vencer Joinville no basquete, saiu do ginásio correndo, trocou de roupa no carro e teve tempo de jogar pelo vôlei de Florianópolis e conquistar o título.  Nunca se viu nada igual no vôlei brasileiro”.

 

Texto: Antonio Prado

(48) 9 9696-3045

Assessoria de Comunicação - Fesporte

Renan Koerich

(48) 3665-6127

Antonio Prado

Heron Queiroz

Mariana Hendler

Zenilda Stein

Tels: (48) 36656126, 36656127, 36656128

 

 

 

Publicado em Geral
Escrito por

Julho com muitas ações no calendário da Fesporte

O mês de julho está repleto de realizações no calendário da Fesporte. Etapas microrregionais, seletivas e estadual de eventos como Jogos Escolares de Santa Catarina (Jesc) 12 a 14 anos e 15 a 17 anos, Olimpíada Estudantil Catarinense (Olesc), Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc) estão no cardápio.  

Prazo para registros em eventos como Joguinhos Abertos de Santa Catarina e envio de termo de compromisso ao Festival Escolar Dança Catarina também estão no calendário da Fesporte. O ponto alto, no entanto, é a realização da etapa estadual dos Joguinhos Abertos de 22 a 29 em Caçador.

                  Abaixo o calendário completo do mês de julho

  

J U L H O

10 a 13

JESC 12 a 14 anos

 

Período para realização das ETAPAS SELETIVAS

 

1 a 15

 JESC 15 a 17 anos

 

Período para realização das ETAPAS MICRORREGIONAIS

1 a 31

CCEF – Moleque Bom de Bola

 

Período para realização das ETAPAS MICRORREGIONAIS

OLESC

 

Período para realização das ETAPAS MICRORREGIONAIS

5

JASC

 

Prazo final para o registro da RELAÇÃO NOMINAL para a ETAPA MICRORREGIONAL, efetuado pelo município no site da FESPORTE no ícone cadastro de atleta

6

 

 

 

6 a 8

Joguinhos Abertos de Santa Catarina

 

Prazo final para o registro da RELAÇÃO NOMINAL DOS MUNICÍPIOS PRÉ E AUTOMATICAMENTE CLASSIFICADOS, CONVOCAÇÃO e INCLUSÃO DE ATLETAS para a ETAPA ESTADUAL, efetuado pelo município no site da FESPORTE no ícone cadastro de atleta

 

Natação Jesc (12 a 14) e Parajesc - Blumenau

 

8 a 31

JASC

 

Período para realização das ETAPAS MICRORREGIONAIS

 

13

JESC 12 a 14 anos

 

Prazo final de envio das Relações Nominais das modalidades coletivas para a ETAPA ESTADUAL para e-mail -  O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

13

Joguinhos Abertos de Santa Catarina

 

Realização do Congresso técnico da ETAPA ESTADUAL

14

 

 

14 a 16

Festival Escolar DANÇA CATARINA

 

Prazo final para envio do TERMO DE COMPROMISSO para oe-mail -  O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

 

 Atletismo e judô Jesc (12 a 14) e Parajesc - Itajaí

16 a 31

 JESC 15 a 17 anos

 

Período para realização das ETAPAS SELETIVAS

18

JESC 12 a 14 anos

Realização do Congresso Técnico da ETAPA ESTADUAL

  

J U L H O CONTINUAÇÃO

20

21 a 23

PARAJASC

Prazo final para envio da RELAÇÃO NOMINAL dos atletas para o e-mail -  O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

Bocha paralímpica  Parajesc – São José (Fundação Cat. Educação Especial)

 

22 a 29

Joguinhos Abertos de Santa Catarina

 

Período de realização da ETAPA ESTADUAL – CAÇADOR/SC

Publicado em Geral
Escrito por

Della Giustina: o precursor dos grandes campeões do ciclismo

A Fesporte inicia a partir desta sexta-feira, 30/6/2017, a série "Personagem do esporte", que visa resgatar os principais protagonistas do esporte catarinense.  O primeiro personagem é o ex-ciclista Milton Della Giustina

Hoje, quando se pensa em ciclismo catarinense, nomes como Murilo Fischer (Brusque), Hans Fisher (Pomerode) e Márcio May (Salete) estão consolidados como os grandes da história, afinal, além de títulos internacionais, os três foram atletas olímpicos. Entretanto, se tem uma pessoa que é considerada precursora destes campeões, ela se chama Milton Carlos Della Giustina, manezinho de Florianópolis, nascido em 26 de dezembro de 1951.

Quem atesta esta condição é o ex-ciclista e memorialista da modalidade Afonso Gentil Ramos. Para ele, Della, a partir do início dos anos 70, deu os primeiros passos para a pavimentação de sucesso do ciclismo catarinense e preparou caminho para as gerações posteriores à sua, pois, com as vitórias e ensinamentos como atleta e técnico, o florianopolitano influenciou positivamente a carreira de muita gente boa. 

Lapidando campeões

“O Della, além do grande atleta, lapidou e revelou muitos ciclistas que foram grandes campeões, com títulos internacionais, como Alexandre Fullgraf, que foi campeão sul-americano”, atesta Ramos. 

Milton Della Giustina começou a carreira aos 15 anos, em 1968, quando ainda era estudante da Escola Técnica Federal. Com esta idade participou de sua primeira prova: a Volta ao Morro, organizada pela Rádio Guarujá, em Florianópolis. 

“Era uma bicicleta de guidão virado para baixo dividida para cinco amigos, uma volta para cada um. E quando eu estava pedalando no bairro Trindade, ouvi pelos alto-falantes os organizadores informando que os vencedores acabavam de cruzar a linha de chegada na Rua Felipe Schmidt”, lembra.

Della Giustina tem na bagagem títulos brasileiros e vitórias pela seleção brasileira (Foto: Antonio Prado)

Apesar de não vencer a prova, a performance do garoto chamou atenção de Domingos Tomé da Silva, que, na condição de dirigente esportivo de Florianópolis nos Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc), convidou-o para disputar a seletiva da competição, que ocorreria  ainda em 1968, em Mafra. 

Performance inédita nos Jasc

Os treinos agradaram, e o manezinho foi convocado para ser o sexto integrante do time, mas na condição de reserva. No ano seguinte, nos Jasc de Joinville, Della foi titular na prova de resistência e ajudou Florianópolis a conquistar um inédito vice-campeonato. 

Em 1971 conquistou seu primeiro título estadual. “Depois fui enfileirando: 72, 73, até 1980 quando eu parei”, recorda-se o ex-campeão. O sucesso, segundo ele, veio por meio de trabalho de equipe, principalmente pelo time formado a partir de 1973, pelo Instituto Estadual de Educação, na Capital, na gestão do diretor Nei Viegas, que, naquele mesmo ano estabelecia várias modalidades na instituição, entre as quais o ciclismo.

Na seleção brasileira

A ideia era montar uma equipe para vencer campeonatos, inclusive pan-americanos. O auge da carreira de Milton Della Giustina veio em 1973, ao ser convocado para a seleção brasileira, time que defendeu até 1980, quando encerrou a carreira. A consagração definitiva foi em 1996 quando foi condecorado com a Comenda do Mérito Esportivo, concedida pelo Conselho Estadual de Esporte, a maior honraria do setor, destinada a pessoas com relevantes serviços prestados ao esporte.

Entre as principais conquistas constam: campeão brasileiro 1977 e 1978, Taça Brasil 1978, Jasc 1978 e Dalmine Itália 1979.

Confira em Memória Esportiva de SC um vídeo completo com o campeão clicando aqui.

Texto: Antonio Prado

(48) 9 9696-3045 

 Assessoria de Comunicação - Fesporte

Renan Koerich

(48) 3665-6127

Antonio Prado

Heron Queiroz

Mariana Hendler

Zenilda Stein

Tels: (48) 36656126, 36656127, 36656128

Cel: (48) 988027742

 (48)3665- 6126

 

 

 

 

 

 

Publicado em Geral
Escrito por

Conselho de Esporte toma posse para o biênio 2017/2019

Nesta terça-feira (13), o secretário de Turismo, Cultura e Esporte de Santa Catarina, Leonel Pavan, homologou a posse dos novos integrantes do Conselho Estadual de Esporte (Ced). O evento foi realizado no auditório da Secretaria, em Florianópolis, e contou com a presença do presidente da Fesporte Erivaldo Caetano Júnior, o Vadinho, e autoridades do meio esportivo catarinense.

Pavan destacou a consistência do currículo de cada membro do colegiado e também a experiência pessoal e profissional de cada um. “Nos orgulha empossar um grupo com tamanha competência, com total capacidade de atuar junto à Secretaria, nos orientando e apontando os caminhos para o fortalecimento do esporte catarinense”, frisou.

No biênio 2017/2019, o Ced será presidido por Alexandre Beck Monguilhott, representando o Governo do Estado. Monguilhott, que já esteve à frente do colegiado no período de 2013 a 2015, sucede Michele de Souza.

Em seu discurso, Vadinho elogiou os novos conselheiros e o presidente da instituição: "Tenho certeza Alexandre, que à frente do Conselho, realizarás um grande trabalho. Afinal, você esta rodeado de grandes amigos do esporte. Ao ouvir o currículo de cada um dos que tomaram posse, não temos dúvida que a sua missão é árdua, mas com certeza será vitoriosa" .

O presidente da Fesporte agradeceu ainda aos conselheiros que encerraram o pleito e salientou a responsabilidade dos conselheiros empossados. “Vamos atuar em conjunto e estreitar o relacionamento com entidades e associações esportivas para buscar soluções que fortaleçam o esporte em Santa Catarina”.

Monguilhott destacou o papel dos membros do Conselho para o aprimoramento das políticas públicas voltadas à área. “Vamos trabalhar para fazer mudanças que forem necessárias, mas sobretudo para manter em destaque o esporte catarinense que sempre foi motivo de orgulho para nós”, disse.

Composição do CED 2017/2015

Alexandre Beck Monguilhott - Presidente 

Representa o Governo do Estado

Erivaldo Nunes Caetano Junior

Membro nato - Presidente da Fesporte

Alexandre Trevisan Schneider

Representa Condiesef

Cláudio B. Antoniolli

Representa o Governo do Estado

Dárcio De Saules

Representa o Governo do Estado

Deraldo Ferreira Oppa

Representa Afesc

Enio Francisco Demoly Neto

Representa o Governo do Estado

Frederico Herondino Leite Neto

Representa Afesc

Gil Artifon

Representa Região-Oeste

Jefferson Roberto Seeber

Representa o Governo do Estado

José Bonifácio Telles

Representa Acesc

Luiz Cesar Abrahão

Representa o Governo do Estado

Marcio Elisio

Representa Região Leste-Norte

Maria Aparecida Alves

Representa Região Sul

Nilo Borgonovo

Representa o Governo do Estado

Nilson Roberto F. Cruz

Representa o Governo do Estado

Osvaldo Juncklaus

Representa o Governo do Estado

Paulo Rogério Maes Junior

Representa Cref Sc

Roberto Francisco Wesoloski

Representa o Governo do Estado

Sérgio Luis Schlemper

Representa Região Centro-Oeste

Ascom/SOL

 

Publicado em Geral
Escrito por

Após Jasc e Liga Nacional, Graciano assume seleção

Com seis títulos nos Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc) pelo handebol feminino de Blumenau, Sérgio Graciano atingiu recentemente o topo da carreira. Foi escolhido pela Confederação Brasileira de Handebol (CBHb) para ser o técnico do Brasil nos Jogos Pan-Americanos entre os dias 18 a 25 em Buenos Aires, na Argentina.

Se conseguir ficar entre as três primeiras na competição continental, a equipe garante vaga para o Mundial da Alemanha, em dezembro. Graciano fica interinamente no comando da seleção até agosto, quando assumirá o espanhol Jorge Dueñas.

Antes do Pan, no entanto, o treinador blumenauense já disse a que veio: conquistou o título do Torneio Quatro Nações, disputado em São Bernardo do Campo. Venceu na final Portugal, por 35 a 29.

“Foi uma surpresa ser convidado para trabalhar neste ciclo olímpico. Fiquei honrado, pois sei que ser técnico do Brasil é a condição máxima que um treinador almeja na carreira”, admitiu Graciano.

O treinador é natural de Curitiba e veio para Blumenau com 19 anos como atleta de handebol para participar dos Jasc. Em 1995, trabalhou como preparador de goleiras na seleção brasileira juvenil. Entre 2001 e 2005, foi treinador da seleção na categoria júnior.

Com Sérgio, o time de Blumenau está há 11 anos entre as quatro melhores equipes do País, chegou a seis finais consecutivas da Liga Nacional e soma quatro medalhas de bronze e um quarto lugar.

Texto: Antonio Prado

Assessoria de Comunicação - Fesporte 

Renan Koerich

 (48) 3665-6127

Antonio Prado

Heron Queiroz 

Mariana Hendler

Zenilda Stein

Tels: (48) 36656126, 36656127, 36656128

Cel: (48) 988027742

 

(48)3665- 6126

Publicado em Geral
Escrito por

Parabéns Guga! 20 anos do 1º Roland Garros na França

A Fesporte parabeniza o ex-tenista Gustavo Kuerten o Guga, pelos 20 anos da primeira conquista do torneio Roland Garros, na França. Nesta data, em 1997, o Manezinho derrotava o espanhol Sergi Bruguera por 3 sets a 0 (parciais de 6/3, 6/4 e 6/2).

Para celebrar este feito histórico o catarinense recebeu uma festa de homenagem nesta quinta-feira em Paris e, no domingo, antes da grande final masculina de simples, irá receber seu anel do Hall da Fama do tênis.

Guga venceu ainda mais duas vezes o Roland Garros, em 2000 e 2001. Guga participou, no início da carreira, dos Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc). Até maio de 2008, quando encerrou a carreira, Gustavo Kuerten somou 358 vitórias e faturou 20 títulos. 1º no ranking mundial de simples (43 Semanas).Primeiro atleta sul-americano a alcançar a 1a posição no ranking.

 

Pagina 1 de 23