Terça, 31 Março 2015 15:45

Maria Angélica é uma apaixonada pela Fesporte Destaque

Escrito por 
Avalie este item
(2 votos)
Angélica trabalha na Fesporte desde 1993 Angélica trabalha na Fesporte desde 1993 Foto: Antonio Prado

Entre os poucos mais de 20 funcionários, Maria Angélica Antunes Machado está no rol dos mais antigos servidores da instituição. “Estou na Fesporte desde a sua criação em 1993. Vim da Fundação Catarinense de Educação Especial (FCEE) para compor, na época, o novo corpo funcional da Fesporte”, diz a servidora.

Formada em Educação física pela Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) com especialização em Educação Física Aplicada ao Deficiente, Maria Angélica diz que trabalhar na Fesporte significa uma realização profissional. “Só quem trabalha aqui sabe a grandeza da Fesporte para os municípios catarinenses e atletas”, diz.

Essa grandeza em que Angélica fala traduz-se também nas atividades desempenhadas pela servidora na Gerência de Rendimento da instituição: analisa a ficha das competições por prova (que permite encontrar possíveis irregularidades em inscrição de atletas), secretaria eventos como os Jogos Abertos de Santa Catarina e atualmente está catalogando os boletins oficiais das competições que estão sob a responsabilidade da Gerência de Rendimento.

Profissional polivalente 

Maria Angélica tem a polivalência como uma das diversas características profissionais. Quando entrou na Fesporte, em 1993, foi dela a ideia de ampliar o Festival Escolar de Dança Mário de Andrade (hoje conhecido como Dança Catarina) para a fase estadual, já que o evento era disputado apenas na fase microrregional, portanto, apenas no âmbito municipal. Depois o festival cresceu chegando inclusive a pleitear uma vaga no Livro dos Recordes como o único no gênero do mundo, em que o Estado chegou contemplar com dança escolar cerca de 19 mil crianças.

Angélica também contribuiu para fortalecer o Prêmio Recriar, mantido por muitos anos pela Fesporte, cujo objetivo era estimular a criatividade dos estudantes catarinenses. Antes, porém, ainda nos tempos de FCCE, seu talento desenvolveu projetos de destaques. “Trabalhava como professora de Expressão Corporal quando tive a oportunidade de lançar o livro ‘Cantando e aprendendo’ nos Volumes 1, 2 e 3, que trabalha as áreas de motricidade fina, ampla e socialização”, lembra.

Experiência como escritora

Na época a servidora lançou também dois livros em parceria com fonoaudiólogas. O primeiro, sob o título de “Posso falar”, versa sobre exercícios importantes para a estimulação da linguagem por meio da música; o segundo, intitulado de “Abracadabra”, trabalha a forma da emissão “ran” na linguagem das crianças como ‘aranha’, ‘barata’ nas sílabas simples e nos encontros consonantais.  

Como se vê, a versatilidade profissional de Maria Angélica lhe inclui no rol das grandes profissionais do quadro da Fesporte. “ Ela é perfeccionista, metódica. Com ela não tem improvisação. Aceita os desafios, é determinada; e se estiver à frente de uma ação esta ação tem que ocorrer de forma perfeita, nos mínimos detalhes”, atesta o colega de trabalho Osvaldo Junklaus.

Mais Informações 

Antonio Prado

(48) 9696-3045

 

Lido 3396 vezes Última modificação em Sexta, 15 Setembro 2023 17:41