Quem passa durante o dia pela Avenida Beira Mar de São José, altura do bairro Campinas,  durante o dia, deve ter se deparado com um grupo de pessoas uniformizadas com vestes vermelhas fazendo exercícios pela região, cuja camisas estão estampadas as iniciais U.C.A. Mas o que você talvez não saiba é que há muito mais por trás destes treinos.

UCA, na verdade, significa União Catarinense de Atletismo. O projeto promove diversas atividades que vão além do da prática  do atletismo,  como a realização de eventos paralímpicos, treinamento, reabilitação e acompanhamento dos paratletas, incentivando-os a participação em eventos culturais, esportivos, acadêmicos e sociais.

Essa diversividade das atividades da UCA produziu bons frutos e esta produção pode ser personificada por meio de dois nomes destaques dos 100 metros do atletismo brasileiro: Micaela Mello, 21 anos, campeã sul- americana no sub- 23, em 2018, na prova com barreiras, em Cuencas, no Equador; e Lucas Ferrari, 31 anos, paratleta olímpico. Ele participou dos 100 metros T-37  das Olimpíadas de Londres, em 2012, e já garantiu medalhas de prata nos Jogos Parapan-Americanos no México, em 2011, e na edição no Canadá, em 2015.

Micaela Mello figura entre as grandes revelações do atletismo brasileiro nos últimos anos nos 100 metros com barreiras. Sendo multicampeã das competições a Fesporte, ela treina forte visando conquistar o índice olímpico para participar das Olimpíadas em Tóquio, que inicia em julho deste ano.

Micaela e Lucas são crias da UCA, entidade sem fins lucrativos, criada em 2013, cujo objetivo é promover de forma gratuita a prática  do atletismo para crianças e jovens, incluindo projetos sociais, e  paratletas  com deficiências físicas, intelectuais, visuais e também os paralisados cerebrais e outras deficiências específicas. 

O professor de educação física, Anderson Chaves, atual coordenador da UCA, lembra que apesar das atividades começarem em 2011, por meio dos projetos Atletismo 10 e Projeto Correr Para o Futuro, a entidade só foi criada oficialmente em 20 de setembro de 2013, já com o nome UCA.

 

Micaela Mello, campeã sul-americana dos 100m com barreiras (Foto: Washington Alves/Exemplu

Naquela época, segundo ele, a idéia era criar uma equipe de atletas não filiados para participar de eventos estaduais, como os da Fesporte e da Federação Catarinense de Atletismo. O desejo era um antigo sonho de Anderson, um ex-atleta do atletismo.

E o sonho do professor saiu do papel e se tornou realidade e logo no primeiro ano de atividade, com o Atletismo 10, contou com a participação de 37 atletas. O projeto deu um salto de qualidade quando recebeu o apoio oficial da prefeitura por meio da Fundação Municipal de Esportes e Lazer de São José (Funesj),  Federação Catarinense de Atletismo e patrocínio da Bolsa Atleta, impulsionando ainda mais o esporte na região. 

Nos anos seguintes o número de atletas aumentou possibilitando conquistas para a equipe. Um exemplo foi à quebra do recorde absoluto de Santa Catarina na modalidade de revezamento 4x100m masculino, em 2018, no Troféu Brasil de Atletismo, com o tempo de 39s72, além de medalhas em campeonatos estaduais e também em competições como Olimpiada Estudantil Catarinense (Olesc) e Jogos Escolares de Santa Catarina (Jesc).

Apesar da vitória, os atletas adultos, do alto rendimento, não eram o único público que Anderson pretendia ajudar. Por isso, mesmo criando a UCA, o educador  manteve o embrião da entidade: o Projeto Correr Para o Futuro. “Nosso objetivo foi manter o incentivo à  crianças e adolescentes à prática de esportes e para isso firmamos parceria com Secretaria Municipal de Educação de Educação de São José e a Funesj e continuamos a atender estudantes das escolas públicas do município, na faixa etária de 7 a 14 anos, em diversos  pólos na região josefense”. 

Este ano o Correr Para o Futuro completa 10 anos de atividade, sendo oito deles dentro da estrutura organizacional da UCA. Segundo Anderson, uma das metas do projeto está sendo cumprida: incentivar a prática e popularizar o esporte na região da Grande Florianópolis, especialmente em São José. “Estamos orgulhosos de todo o trabalho feito. Das nossas conquistas e dos atletas que lançamos para todo o mundo”, destaca Chaves.

 

Faixa etária de 7 a 14 anos também é atendida com atletismo pelo projeto (Foto: Arquivo pessoal)

Mas, de acordo com o professor, as metas não param por aí, já que o objetivo é que em 2021 os atletas da UCA tenham  mais destaque em competições estaduais e internacionais. E para cumprir este objetivo o fundador da entidade lembra que houve algumas novidades nos treinamentos, sempre conduzidos por dois professores técnicos. O primeiro pas/COB)sso foi à subdivisão das provas com suas respectivas especialidades: saltos, velocidade e barreira; meio fundo e fundo; arremesso, lançamento e iniciação. 

A mudança surtiu efeito desejado. E uma prova disso é que já no primeiro semestre  de 2021 alguns atletas começaram a se destacar na marcha atlética , entre eles Emily Pistor, 27 anos, (prova de 20km) e Rudney Dias, 31 (nos 50km). A dupla foi recentemente convocada pela Seleção Brasileira para a Copa Pan-Americana de Marcha Atlética, em Guaiaquil, no Equador.

Outros dois atletas UCA foram convocados pela seleção brasileira para participarem  do Campeonato Sul-Americano de Atletismo, também em Guaiaquil dias 29 a 31 de maio : Guilherme Kurtz, 26 anos (1.500 metros) e Micaela Mello (100m com barreiras). 

Ainda no rol de destaques da União Catarinense de Atletismo constam as paratletas Camila Muller e Edilene Teixeira. Camila conquistou  duas medalhas de ouro e uma de prata nas provas de 200, 400 e 1500 metros  nos Jogos Paralímpicos Universitários  Brasileiros, em 2017, em São Paulo. Já Edilene Teixeira é atual líder do ranking sul-americano de maratona classe T11 e  segunda no ranking mundial. Ambas estão pré-convocadas para as Paralimpíadas em Tóquio, na modalidade de maratona de deficientes visuais. 

                                                   Lucas Ferrari, 31 anos, paratleta olímpico: cria da  UCA (Foto: divulgação)

O sucesso da UCA é explicado pela forma de sua atuação, pois o projeto promove diversas atividades que vão além da prática de esporte, como a realização de eventos paralímpicos, treinamento, reabilitação e acompanhamento dos paratletas, incentivando-os a participação em eventos culturais, esportivos, acadêmicos e sociais.

Enfim, o sucesso de Micaela, Emily, Camila, Edilene, Lucas, Rudney e Guilherme é uma prova de que a ideia do fundador da UCA, Anderson, de criar uma instituição para proporcionar atletismo de qualidade tinha fundamento. “Nosso projeto tem a proposta de melhora a vida de crianças, adolescentes e adultos por meio do esporte e com isso melhorar a saúde física e também mental de todos. Estamos proporcionando também a socialização, a melhora na autoestima, o senso de responsabilidade dos atletas. Ao mesmo tempo que prezamos pela qualidade de vida dos atletas, também pretendemos popularizar o atletismo na região e dar oportunidades para que mais pessoas possam se profissionalizar na área de esportes”, finaliza Anderson Chaves. 

 

 

 

 

Com o objetivo de cumprir todas as regras sanitárias a Fesporte realinhou novas datas para as competições da Olimpíada Estudantil Catarinense (Olesc) Jogos Escolares de Santa Catarina (Jesc) 12 a 14 anos e Jogos Escolares Paredesportivos de Santa Catarina (Parajesc). 

Segundo a gerente de esporte de base e inclusão, Josélia Teixeira, a etapa estadual dos Jesc foi dividida em três blocos de competição em Timbó. O primeiro será realizado de 20 a 22 de agosto com modalidades individuais: ginástica rítmica, judô, caratê, natação e taekwondo.

O segundo será disputado de 27 a 29 de agosto com nova leva de modalidades individuais: atletismo, atletismo adaptado, badminton, ciclismo, tênis de mesa, vôlei de prais, xadrez e wrestling. 

Já o terceiro e último bloco da etapa estadual ocorre de 3 a 7 de setembro com as modalidades coletivas: futsal, basquete, handebol e vôlei. 

A ginástica artística da competição será no Sesi, de Blumenau, no período de 3 a 5 de setembro, e a natação, será em Indaial, município situado ao lado de Timbó.

Antes, no calendário anterior, as competições da etapa estadual começariam com as modalidade coletivas a partir de 24 de setembro. 

Parajesc

Com as mudanças de datas, as competições dos Parajesc sofreram alterações para que não houvesse choque de datas com as etapas regionais dos Jesc.

Assim a etapa estadual dos Parajesc será realizada agora de 23 a 26 de setembro, também em Timbó. Antes a competição estava prevista para agosto.

Na Olesc a mudança foi em um novo prazo final para inscrições de atletas e o envio do termo de compromisso para Fesporte. Antes este prazo se encerrava em junho, agora será no dia 2 de julho.

Segundo Luciano Heck, gerente de esporte de rendimento, o novo prazo atende um pedido de dirigentes municipais. “Muitos municípios só agora estão começando as atividades esportivas. Outros estão contratando professores, por isso estendemos o prazo de inscrição para que os municípios tivessem mais tempo nesta logística”.

As datas da etapa estadual da Olesc não mudam. As competições das modalidades individuas  serão de 13 a 15 de outubro e as coletivas de 16 20. Ambas em Curitibanos. 

Clique aqui e confira o calendário completo atualizado.

A Fundação Catarinense de Esporte (Fesporte) lamenta o falecimento de Salézio Kindermann, neste sábado (15), aos 77 anos, em decorrência de complicações por conta da Covid-19.Ele estava internado há 37 dias no Hospital Maicé, em Caçador. O velório neste domingo é restrito aos familiares.

Dirigente esportivo com incontáveis ações em prol do esporte catarinense, dos quais o levaram a ser Comendador do Esporte de Santa Catarina, outorga concedida pelo Conselho Estadual de Esporte, a maior honraria do esporte catarinense, pelos grandes serviços prestados ao esporte do estado.

Salézio Kindermann era presidente e fundador do time de futebol feminino Avaí Kindermann e gestor do Nápoli,  equipes que integram a elite do futebol feminino no Brasil.

A Fesporte se solidariza com todos familiares e amigos nesse momento de dor e saudades daquele que dedicou sua vida ao esporte.

O amor incondicional ao esporte será um de seus grandes legados. Para a família Fesporte Salézio está no seleto grupo de pessoas raras. Para Salézio o esporte era mais que gols, pontos, medalhas, troféus. Era a própria vida. Por isso seu nome está definitivamente marcado entre os grandes. Obrigado por tudo Salézio. Você foi e é um exemplo para nós. Seu legado transformou vidas e seu nome entra para a história.

Natural de Gravatal, litoral catarinense, Salézio chegou em Caçador 1965, na época com 21 anos. Em 1988, ele fundou o Hotel Kindermann. Também foi goleiro dos Falcões e integrou o Exército, em Tubarão.

“O esporte catarinense é feito de muitos abnegados. Seu Salézio, com certeza, está entre os maiores do nosso Estado. O esporte catarinense perde muito com a partida do seu Salézio. Um homem que não mediu esforços para auxiliar na construção do nosso esporte como referência para o Brasil. Obrigado por tudo seu Salézio”, destaca o presidente da Fesporte, Kelvin Soares.

 

Com a participação de representantes de federações esportivas de Santa Catarina, foi assinado nesta sexta, feira, 14, na sede da Fesporte, em Florianópolis, um acordo de cooperação entre Tribunal de Justiça Desportiva de Santa Catarina (TJD/SC), Fesporte e federações esportivas.O documento permitirá que o TJD/SC atue na prestação de tutela jurisdicional desportiva junto às modalidades cujas federações aderirem ao convênio, nos primeiro e segundo graus de jurisdição. 

Estiveram na cerimônia Kelvin Soares, presidente da Fesporte, Vinícius Bion, presidente do TJD/SC, Michele de Souza, presidente do Conselho Estadual de Esporte (CED) e Fred Leite,  presidente da Associação das Federações Esportivas de Santa Catarina (Afesc).

Antes do ato de assinatura, Bion destacou a parceria entre as instituições esportivas para o fortalecimento do esporte catarinense e para o retorno das competições em época de pandemia. “Sabemos das dificuldades que todos estamos passando com competições paralisadas e da luta incansável de todos os atores para o retorno com segurança. E essa retomada passa por este acordo que estamos firmando hoje que terá validade até  31 de dezembro 2022, quando termina o atual mandato da gestão do TJD”.

Dirigentes assinaram o acordo de cooperação (Foto: Antonio Prado)

Kelvin Soares enfatizou a força do esporte catarinense como referência para o Brasil. “O sistema esportivo do nosso Estado é o melhor do país. Estou visitando as estruturas esportivas dos municípios e percebendo a boa qualidade delas. Isso é fruto do trabalho de todos: dos municípios, das federações, das instituições como Fesporte, TJD, CED e dos nossos eventos esportivos como Jasc, Joguinhos, Olesc, entre outros”.  

Kelvin lembrou ainda todo o trabalho feito e o esforço para o retorno seguro das atividades esportivas personificados pela Portaria 441/21 – assinada pela Secretaria de Estado da Saúde e Fesporte – que orienta a retomada das competições, treinamentos esportivos e práticas esportivas em época da pandemia da Covid 19.

Por fim, agradeceu a parceria existente entre a Fesporte e as instituições do sistema esportivo catarinense, destacando que o auxilio mútuo entre as entidades tem que ser constante no dia a dia.

Michele de Souza, por sua vez, enfatizou que assinatura do acordo de cooperação tem um simbolismo importante. “Esta assinatura simboliza muito o que queremos: a retomada. Diante das dificuldades estamos aprendendo a buscar alternativas para um retorno seguro”, finalizou.

                                           Presidente da Fesporte, Kelvin Soares, e Vinícius Bion, do TJD, avaliam a reunião

 

                                       Fred Leite (Afesc) e Michele de Souza (CED) comentam o encontro

 

Texto: Antonio Prado

Ascom Fesporte

Como ocorre toda quinta-feira, hoje a Fesporte dá continuidade com sua série de reportagens sobre projetos esportivos de sucesso em Santa Catarina. O destaque desta vez é o Projeto “Esporte em Movimento”, de Salto Veloso, que já revelou atletas para a seleção brasileira de futsal

Muitos dos municípios catarinenses têm enraizado em sua cultura a prática esportiva. Isso explica por que Santa Catarina é uma das potências do Brasil no esporte escolar e de base. Um exemplo desta realidade é o município de Salto Veloso, localizado na microrregião do Alto Vale do Rio do Peixe, Meio Oeste Catarinense, com pouco mais de quatro mil habitantes.

Desde 2000, Salto Veloso realiza um projeto esportivo denominado “Esporte em Movimento”, que contempla gratuitamente cerca de 470 pessoas entre crianças, adolescentes, adultos e terceira idade com futsal, futebol de campo, voleibol, taekwondo, bocha e bolão. 

As modalidades são distribuídas nas categorias fraldinha, infantil, infanto-juvenil, juvenil e adulto e terceira idade e realizadas de duas a três vezes por semana. O ponto central das atividades é o ginásio municipal. As aulas são ministradas pelos professores Alex Sandro Nogueira, Paulo Gonçalves, Pedro Zamboni e Dalvan Vedana.

Segundo Anderson Leobet, secretário de esportes de Salto Veloso, o projeto começou com força e entusiasmo, mas depois houve uma paralisação das atividades. Em 2008 ocorreu a retomada com o apoio da prefeitura local e do empresário Adir Comunello, filho da cidade e dono da marca Magnus, que patrocina a equipe multicampeã  Magnus Futsal, de Sorocaba, SP. 

 

                                     Dimas, da Seleção Brasileira, foi revelado no projeto de Salto Veloso (Arquivo pessoal)

Ainda a partir de 2008 o projeto começou a ganhar visibilidade com a participação de Falcão, um dos maiores atletas de futsal de todos os tempos, após pedido de Comunello, que detém os direitos de imagem do atleta. Falcão passou a visitar Salto Veloso e o projeto embalou de vez.

Anderson Leobet explica que nas aulas são utilizadas obrigatoriamente uniformes e os participantes passam por um trabalho metodológico focado nos aspectos físico, técnico e educacional. “Existe também uma forte parceria com as escolas do município onde os alunos do projeto estudam no sentido de cobrar dos alunos dedicação, responsabilidade e compromisso com o processo educacional.”, enfatiza o dirigente. Está, portanto, explicado o sucesso da iniciativa.

Tanta dedicação e engajamento do projeto com a comunidade local – descendentes de italianos – foi capaz de revelar atletas para a seleção Brasileira de futsal do quilate de Dimas e Diego, além de outros para equipes internacionais como Éderson. Soma-se a eles outras revelações como Joel e Matias. Todos têm algo em comum: destacaram-se em eventos da Fesporte como Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc), Olesc, Joguinhos, Moleque Bom de Bola, entre outros.

                                       Taekwondo está entre as modalidades ofertadas (Arquivo pessoal)

Hoje, Dimas, que ingressou no projeto aos 11 anos de idade, joga no Olímpius Roma, da Itália, e tem no currículo 50 convocações pela seleção brasileira, pela qual tem 42 gols assinalados. Diego, que também tem passagens pela Amarelinha, joga atualmente na equipe  Kairat Almaty, do Cazaquistão.

Éderson, antes de parar precocemente devido a uma contusão no tornozelo esquerdo, desfilou seu talento pelas quadras de times da Itália, Portugal, Ucrânia  e Kuwait. Joel, atualmente joga no Pescara, da Itália. Já Matias faz gol hoje defendendo as cores do Fontoura Xavier, do Rio Grande do Sul. 

Enfim, quem visita a Capital Catarinense do Hambúrguer, Salto Veloso, que fica a 434 quilômetros de Florianópolis, vai conhecer, além de seus encantos - belíssimas cascatas de cachoeiras e trilhas,  cantinas de vinhos, cultura italiana -  um projeto esportivo de sucesso: Esporte em Movimento.

 

                                      O futebol está contemplado no Projeto Esporte em Movimento (Arquivo pessoal)

"Salto Veloso, minha cidade natal, está no meu coração. Tenho grande admiração pelo projeto Esporte em Movimento, pois representa todo o esforço feito por nós para engrandecer o esporte do Brasil. Hoje [com o time Magnus Futsal] somos a melhor equipe de futsal do mundo e temos orgulho de Salto Veloso pelo que faz em prol das crianças da minha terra”, destaca o empresário Adir Comunello.

“Esse projeto é espetacular, pois além de contribuir com o esporte saúde de nossas crianças leva o nome do nosso município para o mundo”, finaliza Anderson Leobet. Sim. Adir e Anderson estão cobertos de razão. Santa Catarina agradece.

Principais conquistas

Campeão regional Bolão Feminino regional Jasc – 2003

Vice-campeão estadual do Moleque Bom de Bola - 2005

Campeão regional de bocha – Jasc -  2017

Campeão dos Jogos Abertos da Terceira Idade – Jasti -2015

 Campeão estadual bocha masculino -2018

Texto: Antonio Prado

Ascom/Fesporte

 

                                       Ao lado o jogador Falcão, apoiador do projeto

O presidente da Fundação Municipal de Esporte de Timbó, Márcio Elisio, esteve na tarde desta terça-feira, 11, na sede da Fesporte, em Florianópolis. Em mãos um ofício com pedido formal ao presidente da instituição, Kelvin Soares, para que o município do Vale do Itajaí seja a sede da etapa estadual  da 60ª edição dos Jogos Abertos de Santa (Jasc), a serem realizados no período de 24 a 30 de novembro.

Agora o pedido será avaliado pela Fesporte com a posterior visita técnica aos locais de competição.

Timbó sediou a última edição dos Jasc, em 2019, juntamente com Indaial e Pomerode. Em 2020 não houve a competição por conta da pandemia da Covid 19, fator alegado por Jaraguá do Sul para desistir do evento em 2021.

Segundo Márcio Elisio a realização dos Jasc, em Timbó, este ano, foi um pedido do prefeito Jorge Kruger. “Temos toda uma infraestrutura pronta desde 2019 e nos colocamos à disposição da Fesporte para a realização do evento, afinal, o esporte catarinense tem toda uma cadeia produtiva, que já ficou bastante prejudicada com a paralisação no ano passado devido a pandemia e não podemos correr o risco de ficar mais uma vez sem os Jasc”.

 

 

Pagina 8 de 268