Prado

NOSSA MEMÓRIA

Em tempos em que as atividades esportivas estão paralisadas,  em virtude da pandemia do Covid-19 o site da Fesporte relembra alguns momentos históricos do esporte catarinense. E o primeiro fato relembrado destaca algo relacionado ao futebol. Na 12ª a edição dos Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc) em outubro de 1971, em Rio do Sul, um fato histórico marcou a competição: a Taça Jules Rimet, conquistada pela seleção brasileira  de Pelé e Cia no México, foi a grande atração. A peça foi trazida pelo então presidente da Confederação Brasileira de Deporto (CBD) João Havelange, que posteriormente seria presidente da Fifa.

Na foto o momento em que a taça chega a Rio do Sul.

Desde que começou a pandemia do Covid-19 a Fesporte vem dialogando com representantes de federações esportivas e dirigentes municipais na busca de alternativas da volta do calendário de forma segura. A Fesporte desenvolveu quatro calendários alternativos  para realização dos eventos em diferentes formatos e apresentados a comunidade esportiva. 

Durante as conversas com as federações, a Fesporte propôs a possibilidade  dos eventos do calendário serem realizados  por modalidade, respeitando a especificidade de cada segmento. Todas as ações entre federações e Fesporte serão concretizadas mediante liberação da Secretaria Estadual de Saúde.

No segmento de lutas, por exemplo, a Fesporte já enviou à Secretaria Estadual de Saúde, protocolo de segurança para o retorno de treinamentos e academias do setor com todos os cuidados sanitários exigidos para o momento de pandemia.  O pedido foi estendido a todas as modalidades de luta, que pudessem retornar com treinos em duplas fixas, formadas por pessoas do mesmo ciclo familiar (que encontrassem na mesma quarentena juntas), do mesmo ciclo de amizade, que não apresentassem nenhum sintoma de Covid-19 e que concordem e assinem termo de responsabilidade.

Tal protocolo teve como consultores profissionais de medicina e de educação física, além de integrantes do Conselho Estadual de Esporte, Tribunal de Justiça Desportiva, Conselho Regional de Educação Física e Associação das Federações de Esportes de Santa Catarina e aguarda parecer técnico da Secretaria de Saúde.

As demais federações esportivas estão elaborando protocolos de retorno de atividades e enviando à Fesporte. Segundo o presidente da Fesporte, Rui Godinho, as propostas serão usadas como base para o pedido do retorno das atividades esportivas junto ao Governo Estadual . “Tudo está sendo pensado para que os jogos sejam feitos de forma segura, inclusive com a possibilidade de um evento ser organizado por modalidade.  O importante é que na pandemia a Fesporte não parou, sempre esteve buscando soluções para que o esporte catarinense não parasse por completo”.

O presidente da Fesporte reforça que tudo está sendo feito para a realização das competições porque no esporte existe toda uma cadeia de pessoas beneficiadas pelo setor. “Tem a economia gerada com o evento, famílias que dependem do esporte, atletas e técnicos que dependem de bolsa. Se não tem competição não tem bolsa-atleta, enfim, uma série de coisas que ficarão  prejudicadas com a não realização dos jogos”.

Texto: Antonio Prado/Ascom Fesporte

 

Ação inédita permitirá visão geral do esporte catarinense e tomadas de decisões para políticas públicas do setor

Desde o dia 1º de junho a Fesporte realiza, de forma inédita, junto a dirigentes municipais, um inventário (mapeamento) de todas as instalações esportivas do estado de Santa Catarina. Assim que o trabalho for concluído, no qual a etapa cadastral tem prazo de término previsto para dia 30 de junho, Santa Catarina será pioneira no Brasil por ser o primeiro estado brasileiro a ter um georreferenciamento das praças de esportes de seus municípios.

Após a coleta de dados todas as informações de infraestrutura esportiva estarão disponíveis no site da Fesporte para serem consultadas pelo público: quadras, campos de futebol, pistas, ginásios, canchas, piscinas, entre outros. Detalhes como dimensões das estruturas esportivas, banheiros, capacidade de público, vestiários, equipamentos, mapas de localização (via google maps) e fotos poderão ser vistos pelos usuários. 

Trabalhos realizados de forma on-line

A coordenação do trabalho está sendo realizada pela Gerência de políticas de projetos esportivos da Fesporte (Geppe), por meio dos coordenadores esportivos regionais vinculados à entidade, os quais dão suporte aos gestores municipais neste levantamento.

 “As ações estão sendo realizadas de forma on-line por dirigentes municipais com apoio de nossos coordenadores esportivos. Eles acessam o nosso sistema, via ‘QR Codes’, que direcionam a questionários com a solicitação de informações sobre as instalações esportivas. Depois que as informações são preenchidas elas são enviadas para o nosso sistema. Após elas passam por uma formatação didática e visual para uma melhor compreensão do público. A etapa seguinte é georreferenciamento no my maps que ficará disponível no site da Fesporte”, esclarece Aline Floss, gerente da Geppe. 

A infraestrutura esportiva de SC estará disponível on-line no site da Fesporte (Foto: Divulgação Fesporte

Esta ação atende a Lei na Lei Complementar n° 741, de 12 de junho de 2019, em seu artigo 69, inciso IX, que diz que a Fesporte, tem por objetivo fomentar, desenvolver e executar a política estadual de esporte e promover o inventário e a hierarquização dos espaços esportivos.

Para o presidente da Fesporte, Rui Godinho, diante do respaldo legal, este levantamento irá possibilitar o desenvolvimento de estratégias que subsidiarão a elaboração de uma plataforma de gestão de indicadores de esporte e lazer no estado, visando o delineamento de ações de modo a promover maior qualidade de vida à população catarinense.

"Santa Catarina mais uma vez na vanguarda"

Segundo Godinho a falta de dados impede o conhecimento da realidade do sistema esportivo existente. “O Governo de Santa Catarina, por intermédio da Fesporte, mais uma vez está na vanguarda no Brasil no que diz respeito ao gerenciamento do setor esportivo. Este diagnóstico da realidade atual das instalações esportivas do Estado servirá como um mecanismo para subsidiar a tomada de decisões relativas às políticas públicas catarinenses, bem como potencializar as práticas esportivas como geradoras de desenvolvimento. Enfim, depois que todo o processo de catalogação estiver concluído o usuário terá a infraestrutura esportiva catarinense na palma da mão”.

Na prática, segundo o presidente, o mapa do esporte catarinense será importante instrumento para saber quais as regiões que necessitam de maior investimento público e mostrar onde há infraestrutura adequada para a realização dos eventos da Fesporte, como Jasc, Joguinhos, Olesc, Parajasc, entre outros.

Texto: Antonio Prado/Ascom Fesporte

 

O presidente da Fesporte, Rui Godinho, participou nesta terça-feira, 16, de uma reunião on-line com secretários estaduais de esporte e representantes do Instituto de Pesquisa Inteligência Esportiva (IPIE), órgão ligado à Universidade Federal do Paraná (UFPR). Na pauta das conversas o andamento dos trabalhos de cadastramento esportivo, junto às secretarias estaduais de esportes e às entidades municipais que o IPIE está realizando com apoio da Secretaria Especial do Esporte.

A iniciativa do IPIE juntos às secretarias de esporte, que inclui a Fesporte, é levantar dados sobre o esporte nas cidades brasileiras, com a finalidade de diagnosticar e analisar a forma com que as políticas são realizadas; além de proporcionar a organização dos dados para uso das instituições públicas esportivas municipais.

A partir parceira Fesporte, IPIE/UFPR e Udesc, desde o dia 23 abril a Fesporte já está trabalhando neste processo, que junto aos dirigentes municipais está levantando, catalogando e analisando os dados do setor esportivo catarinense, apontando as principais carências e necessidades do segmento. 

Rui explicou que a iniciativa está chegando a todos os municípios catarinenses por intermédio do Sistema de Gestão Esportiva da Fesporte, em que os dirigentes municipais acessam um tutorial e são redirecionados ao site da pesquisa (http://www.inteligenciaesportiva.ufpr.br/). Ou seja, a pesquisa ocorre de forma totalmente on-line para a coleta de informações, dispensando possíveis custos de diárias, hospedagens, transporte e alimentação dos pesquisadores. Assim que concluído o estudo, os dados estarão disponíveis para consulta no próprio site.

Participaram da reunião os secretários de esporte da Bahia, Rondônia, Tocantins, Ceará, Paraná, São Paulo, Mato Grosso, Sergipe, Santa Catarina, Minas Gerais e Roraima. Pelo IPIE participou o professor Fernando Mezzadri e pela Secretaria Especial do Esporte Edward Borba, diretor de cooperação técnica.

Texto: Antonio Prado 

 

Gabriel Luan Vieira Ramos,13 anos, ginasta da Associação de Ginástica Olímpica/Fundação Municipal de Esportes de São Bento do Sul. Apesar da pouca idade Gabriel já tem performance de destaque como o tricampeonato da Olesc, campeão dos Joguinhos Abertos, estes por equipes, além medalha de ouro do campeonato estadual no individual geral.

Assim como os milhares de atletas no Brasil luta para se manter em forma em época de Covid-19. Nestes tempos de pandemia o ginásio deu lugar a casa para a prática dos exercícios. A dificuldade pela falta de competição é amenizada pelo auxílio do Programa Bolsa-Atleta patrocinado pela prefeitura de São Bento do Sul. 

O auxílio da bolsa-atleta tem ajudado financeiramente em casa, pois complementa os R$ 750,00 recebidos pela da mãe (auxiliar de serviços gerais), mais o valor recebido pelo pai (auxiliar de operação) que está afastado do trabalho por problemas de saúde por tempo inderteminado. 

A família conta com seis pessoas sendo umas delas com problemas especiais. Assim, o auxílio da bolsa-atleta colabora muito pelas dificuldades que Gabriel e sua família enfrentam nesse momento pandemia do COVID-19.

Sendo destaque no aparelho cavalo com alças, Gabriel tem como treinador o armênio Vachagan Ter Meliksetyan, mais conhecido com Vatik, que já foi tricampeão olímpico e bicampeão mundial de ginástica artística pela antiga União Soviética. 

Gabriel Ramos começou na ginástica olímpica aos 06 anos e em pouco tempo foi escolhido pelo seu treinador para integrar a equipe masculina de ginástica de São Bento do Sul. A partir do convite o garoto dedicou boa parte de seu tempo aos treinos, até conquistar sua primeira medalha no campeonato estadual aos sete anos de idade. Pouco tempo depois já era destaque em competições importantes sendo medalha de ouro na Olesc, Joguinhos e campeonato estadual.

Antes da pandemia a rotina de Gabriel era as quatro horas de estudo pela manhã no oitavo ano da Escola Municipal Dalmir Pedro Cubas e à tarde mais quatro hora de treinamento na Fundação Municipal de Esportes de São Bento do Sul. E quando se aproximava as competições os treinamentos se intensificavam nos finais de semana.

Agora o ginasta são-bentense se prepara para iniciar os treinamento pelo projeto Fique em casa, da Federação de Ginástica de Santa Catarina.  “Aproveito este espaço para agradecer todo o apoio que a prefeitura de São Bento do Sul tem me dado por meio da Fundação Desporto em me conceder o auxílio da bolsa-atleta, ao meio treinador e também quero agradecer o apoio da   Associação de Ginástica Olímpica de São Bento do Sul”, finaliza Gabriel.

Texto: Antonio Prado

O objetivo será a elaboração de um protocolo para a volta do calendário da Fesporte

No final da tarde desta segunda-feira, 8, o presidente da Fesporte, Rui Godinho, reuniu-se de maneira virtual com diversos representantes de federações esportivas. Na pauta a possível volta do calendário esportivo da Fesporte.

Godinho pontuou o desejo de voltar com as atividades esportivas e reiterou mais um vez a proposta de quatro calendários alternativos, sempre levando em consideração a segurança sanitária. Propôs que cada representante elaborasse um protocolo de retorno das atividades com as especificidades da modalidade com propostas alternativas para que a modalidade pudesse participar de forma segura das competições da Fesporte e que tal documento fosse enviado à instituição.

As propostas serão usadas como base para o pedido do retorno das atividades esportivas junto ao Governo Estadual . Os dirigentes elogiaram a postura da Fesporte em lutar pela volta das competições com segurança. Muitos mostraram preocupação com alojamentos e alimentação dos atletas, mas, segundo Rui Godinho, tudo está sendo pensado para que os jogos sejam feitos de forma segura, inclusive com a possibilidade de um evento ser organizado por modalidade. 

Segundo Rui tudo está sendo feito para a realização das competições porque no esporte existe toda uma cadeia de pessoas beneficiadas pelo setor. “Tem a economia gerada com o evento, famílias que dependem do esporte, atletas e técnicos que dependem de bolsa. Se não tem competição não tem bolsa-atleta, enfim, uma série de coisas que ficarão  prejudicadas com a não realização dos jogos”. 

Para o presidente da Fesporte neste momento de pandemia é hora de se observar as alternativas.“Nesse momento estamos priorizando a volta com as modalidades esportivas que não tenham tantos contatos. Por exemplo na reunião foram colocados exemplos como bolão, bocha, xadrez, tênis de mesa, entre outros. Isso são idéias iniciais. Algumas federações obedecem determinações de suas federações nacionais para a volta de suas atividades, ou seja, temos que ajustar isso também, mas o importante é que estamos conversando com as federações para buscar uma alternativa segura para a volta do calendário esportivo da Fesporte”, finaliza Rui Godinho.

Participaram da reunião virtual representantes das federações de atletismo (Deraldo Oppa), xadrez (Marcelo Pomar), tênis de mesa (Ivon  Schindler), ginástica (Elen Kegel), Bolão (Arthur Dutra), badminton (Wilson Domingos), Remo (André Dudra), ciclismo (Carlos Andrade), natação (Marcelo Costa) vôlei de praia (Priscila Jochem), bocha (Fernando Reinert).

Texto: Antonio Prado 

Pagina 2 de 236