Prado

“Este ano foi muito difícil. Tivemos que arrumar nossas canchas para o campeonato brasileiro, perdemos em casa o título nacional e esta conquista nos Jasc veio para coroar o trabalho do ano inteiro. Nesta edição 2019 estou completando 20 anos de Jasc e fechar este período sendo campeão é muito gratificante”.

As palavras são de Márcio Bagatoli, capitão do time de Itajaí, após ser campeão do bolão 16 neste domingo, 3, nos Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc) em Timbó, ao vencer na final o rival Blumenau por 1.580 a 1.616. Na verdade o discurso de campeão tem um pouco de alívio da pressão que o time vinha sofrendo já que perdera as duas últimas finais para Blumenau sendo um brasileiro e outro estadual.

O título, no entanto, não somou pontos para o quadro de pontuação geral, já que o torneio tinha apenas oito equipes e não nove, como determina o regulamento. O time campeão formou com Aldo Azevedo, Anderson Hansen, Frank Paza, Leandro Felício, Lucas Dognini e Márcio Bagatoli. 

Indaial, com 1.580 pontos fechou o pódio em terceiro lugar na classificação geral.

A etapa estadual dos Jasc é uma promoção do Governo de Santa Catarina, por meio da Fesporte, em parceria com as prefeituras de Timbó, Indaial e Pomerode.

Texto: Antonio Prado/Ascom Fesporte

Um ouro em família. O team Vilela conquistou a primeira medalha de ouro do remo e embalou a conquista do troféu para Florianópolis, na bela Península das Palmeiras. A Região dos Lagos, em Rio dos Cedros, foi palco da disputa do torneio de remo, encerrado na manhã deste domingo, com a equipe de São José em segundo lugar e Blumenau em terceiro. O tempo bom e a temperatura agradável levaram bom público as “arquibancadas naturais” na margem no lago.

Os manezinhos da Ilha Gustavo Villela e Hudson Vilela, deram “um banho” de desempenho na Península das Palmeiras. Além do título da prova do Double Skiff, o team Vilela contribui com a conquista do primeiro lugar no Quatro Sem Timoneiro. Gustavo, medalha de prata no Pan de Santo Domingo, em 2003, e Hudson, são Top 5 do Brasil.Eles estavam confiantes no título. “Tínhamos consciência de que nosso desempenho nos levaria ao título dos Jogos Abertos”, avaliou Gustavo. 

Apesar sobrenome Vilela ter grafia diferente nas duas famílias, Gustavo garante que a raiz açoriana de Florianópolis é a mesma. “Uma ou duas letras L, provavelmente foi erro de cartório”, argumenta. “As duas famílias são açorianas e todos nasceram em Florianópolis”. Melhor para o remo da Capital, que uniu os dois atletas e ganhou destaque nos 59 Jogos Abertos de Santa Catarina.

Florianópolis teve desempenho irretocável no torneio. Das seis provas em disputa, conquistou cinco medalhas de ouro. Foram prejudicados na luta pelo sexto título devido ao problema de saúde que impediu um dos remadores da prova de Dois Sem de participar. Como o regulamento do torneio não prevê substituição, a Capital ficou de fora da disputa.

Presença ilustre na torcida, a catarinense Fabiana Beltrame acompanhou as provas, ao lado do marido Gibran Cunha, locutor do evento. Única mulher brasileira a conquistar um título mundial, Fabiana certamente ficou feliz com a prova do Single Skiff Feminino, que, a partir do próximo ano vai valer troféu e medalhas no torneio de remo dos Jogos Abertos.

 Classificação final

1)Florianópolis – 52 pontos

2)São José – 42 pontos

3)Blumenau – 26 pontos

4)Santo Amaro da Imperatriz 11

5)Palhoça – 8 pontos

6)Tubarão – 5 pontos

Finais

Double Skiff Masculino Peso Leve

Ouro - Florianópolis (Gustavo Villela e Hudson Vilela)

Prata - São José (Gustavo Hoffmann e Paulo Talaska)

Bronze - Blumenau (Roque Zimmermann e Jean Scherer)

Dois Sem Timoneiro Masculino

Ouro - São José (José Vitor Farias e Matheus Alvares)

Prata - Palhoça (Jorge Rodriguez e Ian Dannapel)

Bronze - Blumenau (Roque Zimmermann e Ronivaldo de Andrade)

Single Skiff Masculino

Ouro - Florianópolis (Diego Nazário)

Prata - São José (Augusto Knoll)

Bronze - Blumenau (João Vitor da Costa)

Double Skiff Sênior Masculino

Ouro - Florianópolis (Emmanuel Buchele e Ricardo Bruggmann Muhle)

Prata - São José (Felipe Dutra e Matheus Alvares)

Bronze - Tubarão (Luca Leger e Caio Trilha Santiago)

Single Skiff Feminino

Ouro - Florianópolis (Adriana Vilela)

Prata - Blumenau (Giulia Renata dos Santos)

Bronze - Jaraguá do Sul (Yasmin Alves Ramos)

Quatro Sem Timoneiro Peso Leve Masculino

Ouro - Florianópolis (Diego Nazário, Gustavo Villela, Hudson Vilela e Alex Mendes)

Prata - Blumenau (João Vitor da Costa, Roque Zimmermann, Ronivaldo de Andrade e Jean Scherer)

Bronze - São José (Gustavo Hoffmann, Paulo Talaska, Pedro Morgado e Gregório Ferreira)

Texto: Olavo Moraes

 

 

Sob o comando de Jadna e Camila, o handebol de Blumenau atropelou o time da Capital. Passou fácil em confronto pela primeira fase do torneio, com vitória por 31 a 8. O duelo, no Ginásio de Esportes Pame, em Indaial, levou bom público na tarde quente e abafada do sábado do feriado do Dia de Finados, em Indaial.

A forte equipe de Blumenau é uma das favoritas ao troféu feminino dos Jasc das três sedes. Do outro lado, o principal rival, tanto nos Jogos Abertos quanto no Campeonato Estadual, é a equipe de Concórdia. É grande a possibilidade do encontro na final, programada para a próxima quarta-feira, dia 11 de novembro. O torneio masculino de handebol começa um dia antes, com confrontos programados para Timbó e Indaial.

Nos demais jogos deste sábado, Balneário Camboriú passou fácil por São Bento do Sul, por 36 a 11, enquanto Criciúma derrotou Lages por 30 a 16 no Ginásio de Esportes ASPMT em Timbó. Em Indaial, um duelo acirrado entre Joinville e Brusque. Vitória das joinvilenses por apenas dois gols de diferença, 21 a 19.

Texto: Olavo Moraes

As partidas de vôlei de praia da 59ª edição dos Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc) começaram neste sábado, 2,  e movimentaram a região central de Timbó. Os atletas catarinenses podem ser vistos nas quadras do Parque Central até dia 5 ou 6 de novembro, dependendo do resultado da final.

Quem entrou na quadra na manhã deste sábado foi a dupla Ceará e Thiagão, que briga por um lugar no pódio. Eles venceram por 2 sets a 0 a equipe da Capital. “Estou tentando o 14º título dos Jasc. Todo ano é mais complicado, mas estou focado no título”, disse Ceará, acrescentando que sua próxima partida é domingo. 

O experiente atleta começou a participar dos Jasc em 1998, primeiro ano do vôlei de praia com direito a troféu, e admite que ainda fica ansioso antes da competição. “Sinto um frio na barriga antes dos jogos, dá aquela ansiedade”, contou. 

A dupla feminina Leize e Josi, que também briga por troféu, estreou nesta edição com vitória de 2 sets a 0. As vencedoras das duas últimas edições dos Jasc representam Balneário Camboriú e venceram a equipe de Jaraguá do Sul. 

No total, a dupla soma seis títulos e veio com garra para disputar mais um. “A gente trabalha muito e está confiante, mas não é fácil, porque é a competição mais importante de Santa Catarina”, disse Leize. 

Um dos pontos de destaque desta edição, na visão da atleta, são as quadras na região central de Timbó, o que permite a proximidade com o público. “Ter a modalidade em um parque no meio da cidade acaba dando esse contato maior e o vôlei atrai as pessoas. Isso é muito interessante para os atletas que estão competindo”, comentou Leize. 

Uma das pessoas que acompanhava os jogos na tarde deste sábado era o aposentado Cido Ben. Aos 52 anos, era a primeira vez que ele assistia a uma partida de vôlei de praia. Natural de Timbó, ele comemorou ter os Jasc no município e programa assistir a mais modalidades ao longo da semana. 

Os jovens Raiane Meyer e Carlos Roeder, 18 anos, também assistiam aos jogos. A estudante já praticou o esporte e aproveitou a chance para aprender mais e observar os atletas. “Quero assistir também o vôlei de quadra. É muito legal ter opções como essa na região”, comentou.  

Os atletas sentem esse incentivo do público. Na tarde deste sábado, a dupla Dudu e Picolli, que representa Timbó, venceu por 2 sets a 0 a equipe de Pomerode. 

“É sempre bom jogar aqui, tem um peso maior. Uma sensação boa, as pessoas perguntam para gente como foram os jogos. Cada ano a ideia é ir galgando posições e tentar o pódio nesta edição. E a torcida tem um peso grande nisso”, contou Dudu.

Depois de dois dias intensos de disputas na piscina da Pame, em Indaial, a etapa estadual da 59ª edição dos Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc) conheceu seu primeiro campeão de modalidade. E foi neste sábado, 2, na natação, que Itajaí, no masculino, e Joinville, no feminino se consagraram como campeões da modalidade.

Os itajaienses terminaram a competição com 198 pontos e Tubarão, em segundo, com 134. Florianópolis fechou o pódio em terceiro lugar com 110 pontos.

No feminino as joinvilenses ergueram o troféu de campeão com 169 pontos, com Tubarão sendo vice com 148 e Jaraguá do Sul ficando com o terceiro lugar com 93 pontos. A modalidade reuniu 18 municípios, num total de 226 atletas, nos dois naipes.

Para o técnico Roberto Facchini, de Itajaí, o título foi consequência do trabalho que vem sendo desenvolvido há oito anos. “Passamos a investir na base porque agora a preocupação da fundação não é mais o título de campeão geral”. 

Para ser campeões no feminino Joinville manteve praticamente a mesma equipe campeã do ano passado. Segundo o técnico Ricardo Carvalho, para dar “força”, apenas três nadadoras são mais experientes, com as demais competindo nos Joguinhos Abertos e nas Olimpíadas Estudantis de Santa Catarina (Olesc).

Texto: Antonio Prado/Ascom Fesporte

 

Introduzido no país nas primeiras décadas do século 20 por imigrantes germânicos, o punhobol é um dos esportes mais populares no Vale do Itajaí. Berço da modalidade em Santa Catarina, a região, que recebe os 59 Jogos Abertos recupera e valoriza a história com a disputa da competição em Pomerode, uma das três sedes do evento – também realizado em Timbó e Indaial.

Bicampeão mundial, o Brasil é berço de talento no esporte

Neste cenário, destaque para a Região Sul, que realiza os campeonatos estaduais e o brasileiro Final Six, campeonato que reúne os seis melhores do país e aponta o campeão nacional. Em Santa Catarina, São Bento do Sul, Blumenau e Florianópolis são as maiores forças do esporte. A disputa pelo troféu dos 59 Jasc está programada para este domingo, as 15h40min, no gramado do Parque de Eventos de Pomerode. 

Ontem, em disputa acirrada, os anfitriões de Timbó venceram Lontras por 2 sets a 1, em Parciais de 11/9, 14/15 e 11/8. Em outros jogos do dia, Florianópolis venceu duas vezes para garantir vaga na semifinal, e espera o vencedor de Rio Negrinho x Pomerode, enquanto São Bento do Sul espera o vencedor de Blumenau x Caçador. Os jogos semifinais começam a partir das 10h.

Regras

Fotos: Maurício Vieira

Em uma quadra dividida ao meio por uma linha – a 2 m de altura para homens e 1,90 m para mulheres – por rede, fita, ou corda, colocam-se à frente duas equipes de cinco jogadores. Cada equipe tem por objetivo rebater a bola sobre a rede de maneira a impedir, ou dificultar a devolução pelo adversário. Cada erro de uma equipe contabiliza ponto positivo para o rival. Vence quem conquistar maior número de séries (sets), que podem ser disputadas em melhor de três ou de cinco: em jogo por tempo, vence quem obtém o maior número de pontos.

Quadra

A quadra é um retângulo de 50 metros de comprimento por 20 metros de largura. O chão deve ser composto por um gramado horizontal plano. É dividida por uma linha central em dois campos de 25 metros, um para cada equipe. Paralelo à linha central, e a 3 metros, marca-se uma linha de saque em cada campo. 

Bola

A bola de punhobol é oca, uniformemente esférica e completamente pressurizada. Sua cor básica é a branca, com no máximo 20% de área colorida dividida em vários pontos da superfície. Peso: 350 a 380 gramas. Circunferência: 65 a 68 cm. Pressão de ar: 0,55 a 0,75 bar.

Equipe

Cada time tem cinco jogadores e três reservas. Os oito jogadores podem ser trocados livremente, sem limites de substituições. Somente podem ser efetuadas pela equipe que vai dar o saque, depois de concluída uma jogada. 

Duração

O jogo termina quando uma equipe vence a maioria dos sets disputados (2 ou 3 sets, em um jogo de 3 ou 5 sets). Um set é vencido logo que uma equipe obtém 11 pontos com diferença mínima de 2 pontos. Caso contrário, joga-se até que haja uma diferença de 2 pontos. O set, entretanto, termina quando uma equipe atinge 15 pontos.

O jogo

Todos os pontos começam com saque. Diferente do vôlei, a equipe que errou é quem saca o próximo ponto. Qualquer jogador pode sacar. Tocar na rede, nos postes e jogar a bola fora da quadra equivale a erro. O jogador que rebater a bola tem que fazer isso com os punhos ou o braço, apenas uma vez. Quando bate com o punho, as pontas dos dedos devem estar tocando a palma da mão. Quando bate com o braço a mão deve estar aberta. A bola só pode ser rebatida ao todo três vezes, e só pode quicar no campo uma única vez entre cada rebatida. A bola deve passar sobre a fita. Se o jogador tocar a fita, é ponto para o rival. No entanto, ele pode passar por baixo dela até o outro campo, desde que não interfira na jogada do rival.

Texto: Olavo Moraes

Pagina 5 de 228