Prado

No céu de Caçador uma chuva forte, com direito a granizo, deu o tom do clima nesta quinta-feira, 17, no terceiro dia de competição dos Jogos Abertos Paradesportivos de Santa Catarina (Parajasc), mas em quadra os gritos de campeões foram tão fortes quanto os trovões que assustaram alguns moradores. No golbol, esporte exclusivo para cegos, Florianópolis levantou o troféu de campeão no masculino e Blumenau no feminino.

O ginásio do Colégio Bom Jesus foi o cenário da conquista. Na partida que garantiu o titulo os florianopolitanos venceram por 13 a 6 a Blumenau, que, com duas vitórias e duas derrotas, ficou em terceiro lugar, com o vice-campeonato ficando para Xanxerê, que fechou a competição com três vitórias e um derrota.

Atletas de Blumenau comemoram o título (Foto: Antonio Prado/Fesporte)

Florianópolis faz a festa pelo título no masculino (Foto: Antonio Prado/Fesporte)

“Viemos treinando desde o início do ano e hoje conseguimos colocar em prática o que treinamos”, destacou o campeão Leandro de Oliveira. 

Entre as mulheres Blumenau fez a final com Joinville, com o placar de  12 a 2 para as blumenauenses.

“Os Parajasc significam muito para nós. Lutamos muito para conquistar este título. Essa conquista é tudo pra nós”, comemorou a campeã blumenauense Márcia D’Àvila.

A etapa estadual dos Parajasc é uma promoção do Governo de Santa Catarina, por meio da Fesporte, em parceria com a prefeitura de Caçador.

Texto: Antonio Prado/Ascom Fesporte

Para eles não importa as limitações do corpo. Seja a deficiência física, visual ou intelectual. Superação não é apenas um clichê. Para eles os Parajasc são muito mais que isso. É o amor ao esporte em estado puro. Em vídeo assista aos melhores momentos atletismo 2ª etapa dos Parajasc, quarta-feira, em Caçador. Imagens: Antonio Prado/TV Fesporte

Comerciantes de Caçador comemoram a movimentação financeira no comércio local durante os cinco dias de competição dos Jogos Abertos Paradesportivos de Santa Catarina (Parajasc). O torneio, que começou dia 15 e vai até o sábado, dia 19, é disputado por cerca de 2 mil atletas, que juntamente com treinadores, dirigentes, imprensa e pessoal da organização, envolve quase três mil pessoas.

Os integrantes da Fesporte, organizadora dos Parajasc, juntamente com a prefeitura de Caçador, estimam que devam circular no comércio caçadorense cerca de R$ 3 milhões durante os Jogos.

Time campeão do handebol em cadeira de rodas de Chapecó almoça em restaurante de Caçador (Foto: Antonio Prado/Fesporte)

Para os proprietários do Check-In Restaurante, José Carlos e Márcia Duarte, eventos como os Parajasc são sempre bem vindos. “Com os Parajasc todos são beneficiados. Os atletas, com o esporte, e nós comerciantes com os nossos serviços”, enfatiza José Carlos.  “Os Parajasc promovem a inclusão social, por meio do esporte, e promove também a economia financeira de Caçador e para nós, que investimos na cidade, isso é muito importante”, destaca Márcia Gonçalves Duarte.

Richard Kidermann, diretor comercial dos três principais hotéis da cidade, comemora a lotação máxima dos 800 leitos disponíveis em todos os hotéis no município. “Os Parajasc vieram para salvar o segundo semestre, pois antes, havíamos feito um prognóstico de vendas com o turismo de negócios que não se confirmou. Aí surgiram os Parajasc lotando não somente hotéis, mas também movimentando bares, restaurantes, postos de gasolinas e supermercados”.

                                                                                 Veja o vídeo sobre o comércio de Caçador e os Parajasc

Hemerson Pegoraro, presidente do Clube de Diretores Lojistas de Caçador (CDL), diz: “percebe-se que, o maior movimento ocorre nos hotéis, restaurantes, supermercados e principalmente no comércio local, pois temos diversos segmentos no comércio de Caçador. Desde esportes, calçados, vestuário entre outros itens”. 

Texto: Antonio Prado/Ascom Fesporte

 

Um dos favoritos para conquistar o troféu da modalidade em Caçador, Chapecó confirmou esta condição e foi o campeão nesta terça-feira, 15, do handebol masculino para deficientes físicos (DF) dos Jogos Abertos Paradesportivos de Santa Catarina (Parajasc). 

Disputando a modalidade em chave única, composta ainda pelos municípios de Balneário Camboriú e Florianópolis, os chapecoenses venceram seus dois jogos.

Contra a Capital, no primeiro jogo, venceu por 2 a 0 com parciais de 9 a 1 e 6 a 2. Já na segunda partida repetiu os 2 a 0 com parciais de 7 a 0 e 6 a 2. 

A etapa estadual dos Parajasc é uma promoção do Governo de Santa Catarina, por intermédio da Fesporte, em parceria com a prefeitura de Caçador.

Texto: Antonio Prado/Ascom Fesporte

 

A pedido do presidente Rui Godinho, em virtude de inúmeras consultas realizadas, a Procuradoria Jurídica da Fesporte realizará nesta quarta-feira, 16, em Caçador, uma audiência durante os Parajasc. O evento acontecerá na sede da Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Turismo de Caçador (Rua Curitibanos, 600), a partir das 14h. O objetivo da audiência é esclarecer dúvidas que se referem ao regulamento dos Jasc 2019, em especial no que tange à regularidade de atletas.

Como se sabe, a Lei nº 13.622/05 (que trata das “cotas” de atletas) foi alterada, o que causou certa insegurança jurídica na interpretação das normas que regem as atividades da Fesporte. 

“Quando solicitada, a Fesporte já emitiu pareceres aos municípios há alguns meses, no intuito de sanar as dúvidas sobre a matéria. Contudo, é salutar promover a audiência, aproveitando a presença de grande parte dos dirigentes e interessados no município de Caçador. A Fesporte espera que, aproveitando a realização dos Parajasc, possa haver um bom número de dirigentes municipais participantes”, explicou o consultor jurídico da instituição, Renan Pirath.

SERVIÇO

O QUÊ: Audiência sobre as normas de regularidade de atletas dos JASC 2019;

QUANDO: 16/10/2019 (quarta-feira), 14h

ONDE: Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Turismo de Caçador (Rua Curitibanos, 600, Caçador)

 

O setor jurídico da Fesporte está finalizando a redação de três anteprojetos de lei que, se aprovados no futuro, virarão lei e beneficiarão atletas do esporte escolar, aproximará as universidades da administração pública e regularizará funções da Justiça Desportiva. A ideia central é a criação de três projetos de lei: a do Bolsa-Atleta Educacional, Programa de Residência em Gestão Esportiva e a lei que cria a função dos integrantes da Justiça Desportiva.

A iniciativa é do presidente da Fesporte, Rui Godinho e tem a participação dos integrantes do Conselho Estadual de Esporte (CED) e do Tribunal de Justiça Desportiva (TJD). Os temas foram debatidos no tribunal pleno do TJD durante a realização da etapa estadual da Olimpíada Estudantil Catarinense (Olesc) realizada entre 12 a 21 de setembro em Videira. Na reunião os conselheiros debateram as propostas apresentadas pela Fesporte e deram sugestões a serem inseridas nos projetos. 

Priorizando o esporte escolar

Segundo Rui Godinho os três anteprojetos, após virarem lei, contemplarão setores que não eram beneficiados pela Lei 13.719/2006, conhecida como a Lei Bolsa-Atleta, que estabeleceu o Programa Santa Catarina Olímpico, destinado à concessão de Bolsa-Atleta aos praticantes de esportes de rendimento em modalidades olímpicas e paraolímpicas vinculadas ao Comitê Olímpico Brasileiro - COB e ao Comitê Paraolímpico Brasileiro.

“A Lei 13.719 é destinada para atletas de rendimento e agora queremos criar uma lei que priorize o esporte escolar. Queremos que o governo estadual distribua bolsa para atletas que estão na escola. Atletas campeões dos Jogos Escolares de Santa Catarina (Jesc) de 12 a 14 anos e de 15 a 17 e ainda os vencedores dos Jogos Escolares Paradesportivos de Santa Catarina (Parajesc). Queremos também contemplar atletas da Olimpíada Estudantil Catarinense (Olesc) e dos Joguinhos Abertos de Santa Catarina, já que estes eventos também contemplam crianças e atletas de base”, destaca Godinho.

Rui enfatiza ainda que os resultados do esporte de alto rendimento serão uma consequência da política pública de valorização esporte escolar por meio dos anteprojetos propostos pela Fesporte. 

Segundo o presidente da Fesporte os valores das bolsas ainda estão sendo estudados pela equipe técnica da instituição a qual preside e o prazo é de 12 meses a ser iniciado após a competição. Godinho lembra que a Constituição Brasileira, em seu Artigo 217, diz que é dever do Estado fomentar práticas desportivas e que a destinação dos recursos públicos tem como prioridade o desporto educacional, ou seja, ele está cumprindo o que determina a lei.

Valores ainda a serem estudados

Após explicar como pretende fomentar o esporte escolar, por meio do anteprojeto do Bolsa-Atleta Educacional,  Rui Godinho detalha as características dos outros dois anteprojetos que a Fesporte pretende apresentar para o Governo Estadual.

Anteprojeto Programa de residência em gestão esportiva

A Fesporte pretende fazer parceria com as universidades e com isso trazer pós-graduandos (com especialização, mestrado, doutorado e pós-doutorado) para trabalharem suas pesquisas dentro da Fesporte. Aquele pesquisador bolsista que atua em uma área correlata com as ações da Fesporte seja no campo da educação física, administração, direito, finanças, entre outras.

Anteprojeto Regulamentação da função dos integrantes da Justiça Desportiva

Por este anteprojeto a Fesporte propõe a regulamentação da função dos integrantes da Justiça Desportiva. O Tribunal de Justiça Desportiva (TJD) de Santa Catarina foi criado pela Lei  9.808/94, só que os integrantes da Justiça Desportiva, que são os auditores, os procuradores, eles nunca tiveram uma regulamentação específica. O Conselho Estadual de Esporte, por exemplo, tem sua lei de criação que especifica quais as funções dos conselheiros, ao contrário da lei que criou o TJD. A ideia da Fesporte é corrigir esta lacuna e regulamentar as funções dos integrantes da justiça desportiva, já eles fazem parte do sistema esportivo de Santa Catarina.  

Validação para 2020

O cronograma de trabalho de redação dos anteprojetos está na fase final e deve ser concluído até o final de outubro. Segundo o consultor jurídico da Fesporte, Renan Pirath a redação está passando pelas diretorias da Fesporte e pelos setores jurídico, financeiro e administrativo  para  avaliação de impacto financeiro, formas de distribuição das bolsas atletas, entre outros ajustes.

Após esta etapa os anteprojetos serão encaminhados para a Casa Civil, que após análises de setores competentes do Governo, poderá ser encaminhados para Assembleia Legislativa para aprovação dos deputados. Aprovados, estes retornarão para a Casa Civil para a sanção do governador, que após esta última etapa viram lei. Segundo Rui Godinho a expectativa é que estas leis já estejam em vigor no início de 2020.

Texto: Antonio Prado/Ascom

Pagina 10 de 228