Brasília será sede da terceira edição dos Jogos Escolares Brasileiros (JEBs) que vai acontecer entre os dias 26 de outubro e 9 de novembro deste ano. São esperados cerca de 6.100 atletas e 1.120 técnicos, e para a realização dos jogos que são classificatórios para o Sul-Americano que acontecerá em dezembro no Chile. As competições serão disputadas por atletas com faixa etária de 12 a 14 anos matriculados em instituições de ensino pública e privada e incluem as modalidades de atletismo, atletismo adaptado, badminton, basquete, ciclismo, futsal, ginástica artística, ginástica rítmica, handebol, judô, karatê, natação, taekwondo, tênis de mesa, voleibol, vôlei de praia, wrestling e xadrez.

O presidente da Fesporte, Paulão, fez questão de agradecer o empenho de todos para que a Delegação pudesse participar da competição. "Realmente foram momento de tensão, mas tudo foi resolvido. Meu agradecimento ao Governador Jorginho e à parceria dos secretários Cimadon e Patrícia, da Educação, pelo trabalho em conjunto. Agora, os quase 280 atletas já estão prontos para a viagem até a Capital Federal para disputar os JEBs. Eu, particularmente, participei por mais de uma vez desta competição. E novamente, agora na posição de presidente da Fesporte, terei a oportunidade de acompanhar nossos atletas brilharem nesta competição tão importante. Com certeza, Santa Catarina vai brilhar nos Jogos Escolares Brasileiros", destacou Paulão.

Já o presidente da Federação Catarinense do Desporto Escolar (FCDE), Antônio Paulo Fernandes Zytkuewisz, destaca o trabalho conjunto com a Fesporte para a aquisição das passagens de toda a delegação catarinense. "Como o Ministério do Esporte cortou a verba do transporte das delegações para os jogos, procuramos o presidente de Fesporte, Paulão, para trabalharmos em conjunto. Mediante a essa dificuldade, criamos um força-tarefa contando com deputados estaduais (da comissão de Esporte e Lazer da Alesc), secretários de Estado e outras personalidades. Assim, após a exposição das dificuldades, o Governador assegurou a aquisição das passagens", explicou Neco. 

E concluindo ele destaca que "hoje, para nossa felicidade, estamos recebendo todas as passagens onde estaremos com 100% da delegação. São aproximadamente 280 passagens com destino à Brasília, e estamos com grandes expectativas de bons resultados já que o ano passado tivemos em torno de 30 a 32 classificados. A nossa expectativa é que neste ano também tenhamos de 25 a 30 classificados para o Mundial", concluiu Neco.

Destaques catarinenses

De Florianópolis, três ginastas estarão nos Jogos Escolares Brasileiros (JEBS). As representantes são Helena Dias Zanoni e Emanuelle Telles da ginástica artística além de Pietra da Luz, atleta da ginástica rítmica. A técnica Thaís Emanuelli Barros irá participar das competições como treinadora da equipe de Santa Catarina na modalidade ginástica artística. 

Na modalidade de Karatê, a cidade de Cocal do Sul terá dois representantes. Os atletas Hyago Antunes Rodrigues e Laura Dezan Corrêa foram classificados para disputar nos Jogos Escolares Brasileiros (JEBs), em Brasília. Eles conseguiram as vagas após vencerem nos JESC (Jogos Escolares de Santa Catarina – 12 a 14 anos), realizadas na cidade de Criciúma, em agosto.

 

Depois de passar por dias e momentos de apreensão devidos às fortes chuvas, a cidade de Rio do Sul volta a direcionar as atenções para a grande festa esportiva programada para o final do ano. Foi confirmada, no período entre 29 de novembro a 9 de dezembro, a realização da 62ª edição dos Jogos Abertos de Santa Catarina considerado um dos maiores eventos esportivos do país e que envolvem mais de 4.500 atletas disputando em 26 modalidades.

O presidente da Fesporte, Paulão, confirmou na tarde de sexta-feira (20) a notícia com entusiasmo. "Foi um grande trabalho de equipe, onde não foram poupados os esforços para que pudemos dar esta notícia. Agradeço ao Governador Jorginho Mello pelo seu apoio irrestrito para a realização deste grande evento esportivo que é o Jasc. E não posso deixar de lembrar também a luta do secretário Cimadon e a adjunta Patrícia (da Educação), que estiveram ao nosso lado nesta parceria. E, por fim, a nossa grande equipe da Fesporte foi incansável. Não pararam um só dia até que pudéssemos anunciar a realização dos Jasc em Rio do Sul", destacou.     

Já o diretor de esportes da Fesporte, Luciano Nilzo Heck, ressalta que esta foi uma grande vitória de todos os envolvidos. "Vivemos um período de grande apreensão devido às chuvas. E, depois de muitos encontros e decisões, finalmente podemos anunciar a realização dos JASC em novo período mas com o mesmo entusiasmo. Tudo isso foi fruto de um trabalho conjunto, onde não podemos deixar de agradecer a parceria do Governo Estadual, a secretaria da Educação, a toda a equipe da Fesporte e também, sem esquecer, o trabalho da cidade de Rio do Sul para que tudo pudesse acontecer", disse.

A cidade de Joinville realizou, na noite desta segunda-feira (9), a abertura dos Jogos Universitários Brasileiros (JUBs) de 2023 que é considerada a maior competição universitária da América Latina. Serão 14 dias de competição, e Joinville recebe mais de cinco mil participantes de todas as partes do Brasil, disputando 21 modalidades. Ao todo, 320 instituições de ensino superior de todas as 27 federações vão estar nesta edição dos jogos. O presidente da Fesporte, Paulão, esteve presente na solenidade de abertura realizada no Centreventos Cau Hansen.

O evento homenageou atletas joinvilenses que se destacaram nacionalmente e também apresentou aos competidores de todo o Brasil a Escola do Teatro Bolshoi, a cultura germânica, o Carnaval e a Escola Municipal Governador Pedro Ivo Campos, dez vezes campeã no Festival de Dança de Joinville. “Esta é mais uma grande festa do esporte brasileiro. Jovens universitários de todo o país estão aqui, em Joinville, para mostrar o seu melhor, mantendo elevada a amizade e o espírito olímpico. E a Fesporte prestigia e parabeniza este grande congraçamento”, afirmou Paulão.

 

Aproximadamente cinco mil pessoas entre atletas, árbitros e técnicos estarão participando da competição. Ao todo, serão 320 instituições de ensino superior, representando todas as 27 Federações universitárias do país. Durante os 14 dias de competição, os atletas disputarão as modalidades de judô, karatê, luta olímpica, tênis, tênis de mesa, tênis de mesa paradesportivo, xadrez, acadêmico, breaking, cheerleading, basquete, futsal, handebol e vôlei, além dos esportes eletrônicos – League of Legends, Futebol Eletrônico, Clash Royale, Valorant, CS Go e Free Fire.

A bandeira do Brasil foi conduzida pela velocista Ádria Santos, tetracampeã paralímpica e maior medalhista mulher do país, considerada a maior velocista cega do mundo. Com a bandeira dos jogos foi conduzida pelo nadador joinvilense Eduardo Fischer, que registrou mais de 30 quebras de recordes sul-americanos e representou o Brasil nas Olimpíadas de Sydney e Atenas. O juramento do atleta será feito por Nathan Felipe Filgueiras, atleta de xadrez da Univali. O desfile com o fogo simbólico e o acendimento da pira olímpica foi conduzido pela atleta joinvilense de tênis de mesa Lhays Stolarski, que integrou a delegação brasileira do Mundial Universitário, na China, em 2023.

 

NOTA OFICIAL

Diante das chuvas persistentes que tem atingido o Estado nas últimas horas, e por determinação da Defesa Civil de Santa Catarina, a Fundação Catarinense de Esporte – FESPORTE -, na intenção de assegurar a integridade física de atletas e dirigentes, determina a suspensão de todas as competições programadas até que a situação climática se normalize. Um novo calendário será anunciado posteriormente.

PAULO ANDRÉ JUKOSKI DA SILVA

Presidente da Fesporte

A Olimpíada Estudantil Catarinense (Olesc) mostrou ser uma competição para descobertas de novos talentos no esporte. E neles estão incluídos os chamados esportes da mente, como o xadrez, que é um jogo de tabuleiro. Os atletas dessa modalidade não correm, não saltam e não se movimentam, apenas fazem a partida acontecer por meio do raciocínio. Neste esporte, por exemplo, os jogadores devem pensar cuidadosamente em cada jogada, considerando as possíveis conseqüências a curto e longo prazo. Eles precisam ter uma compreensão sólida das regras do jogo, bem como das estratégias e táticas usadas pelos grandes jogadores. Além disso, o xadrez exige que os jogadores tenham uma boa memória, já que muitas jogadas são baseadas em seqüência específicas de movimentos.

Na Olesc, uma pequena mas talentosa atleta de apenas 9 anos, se destacou entre tantos jovens com mais anos de prática. Ela é Maria Vitória Baratieri, que disputou a olimpíada pelo município de Rio Negrinho, mas reside com os pais em Florianópolis. Essa atleta conquistou duas medalhas: ouro na Blitz - Tabuleiro 3 e prata no Rápido feminino - Tabuleiro 3. "Eu conheci o xadrez com 6 anos de idade, lá na minha escola. Além das atividades normais tipo balé, ginástica, informática, comecei a procurar algo que chamasse mais a minha atenção. Até que, num dia, passei por um grupo de colegas que estavam com um jogo de peças bem diferentes. Eu perguntei e me responderam que era o xadrez", explicou. E foi lá que Maria Vitória começou a buscar seus primeiros desafios, versatilidade e capacidade de trabalhar em equipe.

"Desde o primeiro dia eu gostei muito do xadrez, e logo falei que era isso que eu gostaria de fazer. Minha mãe até tentou mudar a minha ideia, perguntando se eu não queria trocar por balé ou ginástica, que eram atividades mais para as meninas. Mas eu queria tanto que, sem a minha mãe saber, eu já estava matriculada no xadrez. Até o dia que me disseram que eu precisava pagar a mensalidade das aulas. Não tive outro jeito senão contar para a minha mãe... veja só o que se faz por aquilo que se ama", confessou.

O futuro e a pandemia

A pequena atleta confessa que passou momentos de apreensão no período da pandemia. "Quando eu comecei no xadrez, eu sempre quis praticar com os adversários na minha frente, pois dava para sentir a reação deles a cada movimento que eu fizesse. Mas aí veio a pandemia e fui obrigada a decidir se continuava ou não no xadrez, porque para praticar era obrigada a jogar pela internet. Foi um período muito ruim, mas a vontade de jogar foi mais forte", confessou.

Mas a determinação de Maria Vitória vai muito além da prática do xadrez, ela já busca as alternativas para a sua vida. "Eu já penso em morar no Estados Unidos, mas antes, se tudo der certo, quero me formar em Direito - assim como meus pais -, de preferência na Universidade de Harvard. E eu sei que o xadrez vai me ajudar muito, principalmente no desenvolvimento do meu raciocínio", diz. 

Com apenas três anos na prática do xadrez, Maria Vitória já se orgulha em dizer que já está colecionando títulos. "Agora, em 2023, conquistei o título de campeã catarinense na categoria sub-10 e vou continuar me preparando para os próximos torneios", disse. E sem sair muito do tema, a jovem enxadrista confessou que também gosta de assistir séries, e aí vale a dica. Os seus favoritos são: "A Rainha de Katwe" e "O Gambito da Rainha", dois clássicos com onde o tema central é o xadrez.

 

Superar novas marcas é o que todos os jovens atletas tentam buscar. Fazem parte das transformações naturais, que os psicólogos destacam dentro das transformações biológicas do adolescente. É quando o cérebro começa a mudar para um novo jeito de pensar, sentir e agir. Nesta edição da Olimpíada Estudantil Catarinense (Olesc) não foi diferente, os jovens do atletismo apresentaram tempos surpreendentes e, junto a isso, o aparecimento de grandes promessas para o esporte deste Estado. 

Um dos destaques que confirmou a sua boa fase foi Vinicius de Brito, que foi campeão nas provas de 110mts e 400 mts sendo o novo recordista da Olesc. Além disso, acabou se tornando o atleta destaque no atletismo deste ano e também ajudou a equipe de Jaraguá do Sul a ficar na terceira colocação no revezamento 4x100mts e 4x4 misto. “Eu estou muito feliz em ter conseguido ajudar os meus companheiros. Sinto que o esporte entrou na minha vida para que eu tivesse objetivo: superar novas marcas, me motivar e ter sempre uma equipe para estar no lugar mais alto do pódio”, disse Vinicius.

Foi o mesmo Vinicius, que na disputa dos Jogos da Juventude, em Ribeirão Preto (SP) na primeira quinzena de setembro, superou o recorde brasileiro e sul-americano da categoria dos 110 mts com barreiras com a marca de 13s38, que pertencia a John Paredes, da Colômbia, desde 2019. Ele também estabeleceu o novo recorde dos Jogos da Juventude, com o tempo de 13s48, na edição de 2013 por Júlio César Nascimento de Oliveira, do Rio de Janeiro. Ainda em 2023, Vinícius conseguiu o recorde pessoal e o ouro da competição nos 400 mts com barreiras, com 51.98, no Sul-Americano de Atletismo na Colômbia. 

Outros recordes

Outros atletas também se destacaram ao conseguirem novas marcas em diferentes provas. São nomes que precisamos acompanhar e acompanhar o crescimento deles. Confira os novos recordes das provas:

- 3.000mts - Yasmin Ferreira (São José) - 10m56s95;

- Lançamento do dardo - Eduarda Vieira (Campos Novos) - 47mts90;

- 200mts - Paulo Henrique Batista (Jaraguá do Sul) - 21seg69; 

- 400mts - Paulo Henriqu Batista (Jaraguá do Sul) - 48seg32;

- 110mts c/barreiras - Vinicius de Brito (Rio do Sul) - 13seg85;

- 400mts c/barreiras - Vinicius de Brito (Rio do Sul) - 48seg32;

- Lançamento do Dardo - Eduardo Radatz (Timbó) - 62mts74.

 

Pagina 6 de 9